Burgers with fries and chips. Lots of food on table. Fresh food at local bistro. Junk food and vegetables.

Muitas pessoas comem no “piloto automático”, sem nem mesmo perceber, quando estão se sentindo incomodadas por alguma coisa que aconteceu em seu cotidiano; especialista em obesidade Gladia Bernardi ensina a diferenciar os tipos de fome

Crédito: Envato Elements

São Paulo, fevereiro de 2019 – É muito comum, quando algo dá errado no dia a dia de uma pessoa – seja no trabalho, em casa ou em outra situação -, que os fatores externos acabem por abalar o aspecto psicológico. E eis que, sem nem mesmo refletir, a pessoa devora uma pizza, come um pote inteiro de sorvete, ou passa o dia todo “beliscando” doces. É algo tão automático que o próprio indivíduo às vezes não percebe, mas acaba dando a si mesmo o “direito” de suprir o mal-estar comendo.

“Nem sempre quando achamos que temos ‘fome’ precisamos realmente comer. Diversos fatores emocionais influenciam a rotina alimentar de uma pessoa – como ansiedade, tédio, estresse, tristeza, frustração, ou apenas a força do hábito. E são esses sentimentos que, muitas vezes, fazem com que a pessoa ache que está com fome, quando, na verdade, é apenas uma vontade incontrolável de comer para encobrir essas sensações – que vêm de uma forma urgente e, geralmente, se tornam piores depois, quando o sentimento de culpa por ter comido em excesso aparece”, alerta a nutricionista e especialista em obesidade, Gladia Bernardi, autora do best seller “Código Secreto do Emagrecimento” (Ed. Gente).

A especialista explica que muitas pessoas acham que a obesidade é causada pelo consumo de alimentos calóricos, quando, na verdade, é pela compulsão alimentar. “A busca incessante por conforto na comida faz com que a pessoa coma mais do que seu corpo precisa. É necessário mudar esse gatilho mental e ‘emagrecer’ a mente, pois comida não é calmante e não deve ser uma válvula de escape”, avalia.

Para descobrir se a “fome” é emocional ou física, segundo Gladia, a melhor maneira é estar consciente das reais necessidades do seu corpo. “Para enfrentar as situações difíceis, que produzem em nós impactos emocionais, é importante ter consciência do problema original que está causando a ansiedade, o estresse, e não descontar de forma inconsciente na comida”, explica. “Em prol de uma vida saudável – mental e fisicamente -, é preciso que a pessoa substitua o ato de esconder as emoções com o ato de comer por outras atividades, como exercícios físicos, ler um livro ou qualquer outro passatempo que seja prazeroso”, comenta.

Abaixo, Gladia lista dicas para identificar quando a “fome” é emocional:

Ela aparece em forma de desejos

A “fome” emocional nunca vai ser saciada por uma fruta ou um prato de salada ou de legumes. “Geralmente, esse tipo de fome pede comidas mais pesadas e pouco saudáveis, como doces ou alimentos em gorduras saturadas”, comenta Gladia.
Porém, a especialista ressalta que não há problema em comer uma vez ou outra alimentos mais calóricos. O importante é não exagerar. “Se você se alimenta com equilíbrio, não tem problema se permitir mesmo. Nenhum alimento é proibido. importante é ter em mente que isso é algo fora da rotina, e não um hábito”, ensina.

Tenta preencher um vazio

Quando a “fome” é causada pelas emoções, ela tenta preencher um vazio – que não está exatamente no estômago. “Ela normalmente aparece como uma reação a algum mal-estar emocional que, ao invés de ser investigado sobre o por que de estar acontecendo, é coberto pela grande quantidade de comida, que serve como um alívio. Mas esse alívio é apenas momentâneo, acabando assim que o “banquete” acaba, e depois o sentimento de angústia volta”, completa Gladia.

Provoca sentimento de culpa

A especialista explica que, muitas vezes, quando o mal-estar volta após o alívio momentâneo que a comida costuma proporcionar, junto dele vem o sentimento de culpa, pela pessoa saber que comeu demais e “exagerou na dose”.

“Você sabe que não precisava comer aquele saco de batata frita ou aquela barra de chocolate inteira sozinho. Além da bagagem calórica que esses alimentos trazem, a pessoa não estava realmente com fome. A mente é quem fez com que pensasse dessa forma, e com que se sinta mal por não ter conseguido afastar essa compulsão”, ressalta a especialista.

Faz com que se coma por impulso

Para saciar a fome emocional, a pessoa age sem pensar e de maneira compulsiva, já que perde a noção do quanto está, de fato, ingerindo. “Quando você vai ao supermercado nesses momentos, por exemplo, passa pelo corredor de doces e comidas calóricas e compra tudo o que vê pela frente, e que acha que aquilo tudo vai servir como uma forma de aliviar o que está sentindo e trazer prazer para o seu dia, que está sendo tão difícil”, comenta Gladia.

Vira “desculpa” para fugir de responsabilidades

Suponha que, em um dia qualquer, você deixou de fazer algo porque precisava estudar ou ir à academia, por exemplo, mas acabou não “tendo forças” para realizar o que programou, e acabou ficando em casa. E, a partir desse momento, decidiu “atacar” a geladeira e comer aquele doce que tanto gosta.

“Dentro da mente, você já sabe que não cumpriu com suas obrigações (no caso, ir à academia) e, consequentemente, outras emoções, como a ansiedade, chegam para fazer companhia, e você usa a comida como um calmante. Mas, quando o doce acaba, você acaba se sentindo pior que antes, pois acumulou não só a culpa de ter fugido de uma responsabilidade, mas também de ter cedido ao ‘capricho’ de comer por compulsão”, diz Gladia.

Quando você percebe que comer trouxe bem-estar- mesmo que passageiro-, passa a ir atrás de mais comida novamente, e repete o processo outras vezes, até se sentir muito cheio. “É essa falta de dosagem e equilíbrio, provocados por esses gatilhos que a mente nos proporciona, que faz com que a compulsão alimentar venha à tona e, por meio dela, a obesidade”, finaliza.

Sobre Gladia Bernardi – Autora do best-seller “Código Secreto do Emagrecimento (Ed. Gente), Gladia Bernardi é nutricionista funcional, especialista em obesidade e em emagrecimento consciente. Há 18 anos pesquisa e trabalha em busca da solução para a obesidade, e após mais de 35 cursos em nutrição, medicina integrativa, física quântica, neurociência e programação neurolinguística, criou seu próprio método, o Emagrecimento Consciente. Por meio de técnicas e ferramentas pioneiras, que dispensam dietas restritivas, prescrição de medicamentos ou intervenções cirúrgicas, o método já eliminou 72 mil toneladas em todo o Brasil e em outros 15 países. Idealizadora do programa online de emagrecimento Casa da Mente Magra, que dura 10 semanas e oferece todo o suporte para quem quer perder peso, com vídeo-aulas, exercícios mentais, programas de exercícios físicos, mitos e verdades sobre diversos tipos de alimentos, entre outros bônus e conteúdos exclusivos.