© Alan Santos/PR

Durante a posse dos presidentes do BNDES, do Banco do Brasil e da Caixa, nesta terça-feira (7), o presidente da República, Jair Bolsonaro, aproveitou o discurso para dizer que vai acabar com o que chamou de “privilégio” na destinação de verbas publicitárias do governo federal para órgãos de imprensa que não sejam, segundo ele, “parciais”.

Ao declarar que seu governo vai democratizar as verbas publicitárias, Bolsonaro destacou que quer uma imprensa mais forte e isenta.

“Nenhum órgão de imprensa terá direito a mais ou menos naquilo que nós, de maneira bastante racional, viremos a gastar com a nossa imprensa. Nós queremos sim, cada vez mais, que vocês sejam mais fortes e isentos, e não sejam como alguns, como alguns, ou foram há pouco tempo ainda, parciais.”

Ainda durante a fala, Jair Bolsonaro, sem citar nomes, reforçou que a verba do governo será investida de maneira igual entre os veículos de comunicação.

“Vamos acreditar em vocês, mas essas verbas publicitárias não serão mais privilegiadas para empresa A, B ou C. A imprensa livre é a garantia da nossa democracia.”

Bolsonaro afirmou ainda que vai acabar com o chamado “BV”, bônus por volume, pago por veículos de comunicação a agências publicitárias.

“Aprendi há pouco o que é isso e fiquei surpreso e até mesmo assustado. Vamos eliminar essas questões para que a imprensa possa, cada vez mais, fazer um bom trabalho no Brasil.”

Na ocasião, o presidente também ressaltou que “os recursos que forem liberados para ONGs sofrerão um rígido controle, para que os recursos públicos sejam “bem utilizados.”

Com a colaboração de Marquezan Araújo, reportagem Tácido Rodrigues