Take a fresh look at your lifestyle.

A tradição do Natal não acabará

-publicidade-

Nossa memória guarda experiências valiosas sobre o que passamos na vida. E, apesar da pandemia e do distanciamento, ela resgata os momentos felizes que nos marcaram, principalmente nesta época do ano, explica a neuropsicóloga Leninha Wagner.

O Natal está chegando. Em um ano tão atípico, muitas famílias não irão se reunir nos próximos dias, e por isso, diversas pessoas deverão passar as festividades de fim de ano reclusas em casa. Mas, mesmo com esta situação tão diferente do comum, a tradição do Natal não vai acabar. O ideal, nessas horas, é usar bem a memória afetiva.

Segundo a neuropsicóloga Leninha Wagner, “quando pensamos no que influencia ou está relacionado à ‘aprendizagem’ ao longo do tempo, parece-nos essencial considerar a presença da memória, pois temos por hipótese que conseguimos retomar por ela, de alguma forma, aquilo que aprendemos. No entanto, acreditamos também que nem tudo que retomamos pela memória foi de fato aprendido. São muitas as memórias plantadas, histórias ouvidas, pelos nossos ascendentes”.

Essa lembrança, enquanto função psicológica elementar, é denominada memória natural. Leninha explica que neste caso, “é caracterizada pela impressão não mediada de materiais e pela retenção de experiências reais, sendo consequência direta dos estímulos externos sobre o ser humano”. Além disso, há também um tipo de memória compartilhada por povos iletrados: “Onde o conhecimento e a cultura são passados de geração em geração pelo compartilhamento e convivência”, detalha.

Leninha Wagner reforça que, no contexto de uma cultura letrada, a partir da infância e ao longo da escolarização, “os indivíduos vão desenvolvendo, por intermédio de suas relações em sociedade, funções psicológicas superiores, como, por exemplo, a memória lógica, que é de origem sociocultural e mediada por signos”. Já a função mental superior da memória nos permite buscar à vontade uma imagem ou um relato do passado. “Nesta memória voluntária ou ‘lógica’, não é que a mente seja simplesmente provocada por algum choque do presente a ‘ir e pegar’ uma imagem; ao contrário, o passado é deliberadamente relembrado por uma razão determinada. A memória lógica se torna possível graças ao poder mediador dos signos. Usando signos como auxiliares da memória, os seres humanos são capazes de controlar deliberadamente as condições de suas recordações futuras”, explica.

“Assim, consideramos que, ao lembrarmos alguma ideia ou situação, ela se transforma em algo diferente, devido à mediação realizada. Mesmo que se queira memorizar alguma coisa, após tal processo não é direto, mas sim mediado”, ressalta a neuropsicóloga. Traduzindo isso para o contexto do Natal, que é uma data universal, basta lembrar que a família está sempre presente. “É um momento de encontro, de reencontros, de trocas de carinho e de presentes, compartilhar a ceia de Natal é marcar a memória afetiva com emoção positiva”, reforça.

Outro fator importante é que a festa de Natal é um marcador de fechamento de ciclos e abertura de novas perspectivas, tendo uma essência social da memória individual, que “decorre simplesmente da constituição coletiva, porém de forma singular, utilizando assim todos os estados mentais para armazenar informações e repassar tradições familiares. Nesta posição, lembrar é sempre fazer uma leitura do passado, uma leitura que requer habilidades linguísticas derivadas das tradições de explicação e narração dentro de uma cultura, e que desemboca numa narrativa que deve seu significado em última instância às práticas interpretativas de uma comunidade de falantes. Isso é verdade até mesmo quando o que é lembrado é a experiência passada do próprio indivíduo”, detalha Leninha.

Diante disso, é importante compreender que a formação da memória se dá por intermédio da interação do sujeito com o mundo, ao longo das relações sociais que ele estabelece, nos mais diferentes âmbitos de sua vida. “Tendo em vista o Natal, num cenário de pandemia, onde sofremos tanto com o distanciamento, acreditamos que a eminência desses festejos, estão permeadas não só de conceitos, ritos, protocolos, mas também de procedimentos, atitudes e valores que, com maior profundidade, dos vínculos afetivos, por nos sabermos agora mais que nunca tão desamparados e frágeis”.

“Sabemos que percebemos, aprendemos e interpretamos os estímulos externos cognitivamente. Mas nosso cérebro mais primitivo é o emocional, antes de trazermos para o racional e intelectual, é a nossa emoção que nos ensina, acionando arquivos secretos memorizados pela passagem do tempo em nossa trajetória de vida”, salienta.

Além disso, “o Natal sempre foi família em qualquer cultura, sinônimo de partilhar momentos na intimidade do lar, na comunhão, no perdão, na entrega de um abraço sincero onde o peito se toca e o coração bate no compasso do outro. A vida é um sopro, um instante e no outro paramos de respirar e não estamos mais aqui”, complementa.

Emocionada, Leninha Wagner lembra que esse será certamente o Natal mais especial, mais marcante e importante dos últimos séculos. “Quem estiver em família comemorando, se alegrará em dobro, pela festa, pela vida, e a gratidão por ser um privilégio desfrutar de tudo isso. Que o Covid-19 não receba convite para as festas fechadas no recinto de cada lar, com saúde e família reunida, esse é nosso maior presente!”, finaliza.

-publicidade-