Ação de conscientização marca programação do Outubro Rosa para universitários

Dúvidas como os cinco processos do autoexame, porque os homens também devem fazer autoexame nas mamas, além de mitos e verdades sobre o câncer de mama e o câncer de colo de útero foram a pauta desta manhã para os alunos da faculdade Martha Falcão | Wyden, como parte da programação do Outubro Rosa.

A palestra “Cuidados com a Saúde da Mulher”, com o médico Jhadson Leonel, biomédico e assessor científico do Sabin Medicina Diagnóstica, reuniu acadêmicos dos cursos de Fisioterapia, Nutrição, Enfermagem, Design, Contabilidade e Psicologia no auditório da instituição. O câncer é a doença que mais mata adolescentes e adultos jovens, entre 15 e 29 anos, no Brasil, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) e pelo Ministério da Saúde, cujos resultados foram divulgados em 2017.

A pesquisa destaca que o tipo de tumor mais frequente nos jovens é o carcinoma, que ocorreu em 34% das vezes e foi mais encontrado no colo do útero, sendo o vírus do HPV o grande responsável pelo aparecimento da doença, que é transmitido, principalmente, por meio de relação sexual desprotegida.

“A meta é a erradicação desse tipo de vírus no Brasil a longo prazo, uma vez que já se trabalha campanhas de vacinação. Hoje, em torno de 98% das mulheres que tiveram câncer de cólon de útero foi por conta do contato com o vírus do HPV”, afirmou o médico Jhadson Leonel.

Segundo ele, trata-se de um vírus muito comum, causador de verrugas em seus mais de 100 sorotipos. Destes, apenas quatro estão relacionado ao câncer de cólon de útero. “Mais de 80% da população já teve contato, mas somente o que aparece na região genital é que pode causar a doença”, explicou.

Para prevenir, todas as mulheres acima de 25 anos ou 3 anos após o início de relações sexuais, deve fazer exame conhecido como papanicolau ou preventivo periodicamente. Mais incomum, o vírus também pode ser contagioso por meio da troca de objetos como sabonete, roupa íntima e até mesmo toalha compartilhada. No Brasil, são registrados mais de 17 mil casos no Brasil por ano, com estimativa de 5 mil mortes. Mais de 44% dos casos são descobertos em fase avançada devido a não realização do exame precoce.

Sobre o câncer de mama, o médico Jhadson Leonel alertou para as agressões feitas à mama que, ao longo do tempo, com a consequente exigência de renovação celular, podem gerar a doença. “Recomenda-se, por exemplo, que o uso de sutiã com haste não seja demasiado apertado. Em alguns casos, vemos que pode machucar internamente a mama. A peça foi feita para sustentar, não para apertar e gerar incômodo”, esclareceu.

Além disso, o médico lembrou ainda sobre a necessidade de realização de mamografia anual após os 40 anos e, em caso de histórico familiar, após os 35. O autoexame deve ser feito sempre que possível a partir dos 25 anos.

ou 5 anos após o início da vida sexual. No Brasil estima-se mais de 59 mil novos casos de câncer de mama em 2018, sendo este tipo da doença o que possui a maior taxa de mortalidade no mundo com uma média de 15 mil mortes ao ano. “O câncer é uma desordem celular. Não é um doença de pessoas mais velhas, elo contrário, tem uma alta incidência em jovens. Por isso, a importância da conscientização e prevenção. Quando o diagnóstico é feito no primeiro estágio, a sobrevida chega a 88,3%. No caso do câncer de mama, o autoexame ajudou a descobrir 66% dos casos”, afirmou Leonel.