29.3 C
Manaus
quarta-feira, fevereiro 21, 2024

Acidentes de trânsito no Brasil: mais de 10 mil mortes em 2023

Dados preocupantes do Ministério da Saúde revelam que o Brasil já contabilizou 10.060 mortes por lesões em acidentes de trânsito até outubro de 2023. Este número alarmante surge em um momento crítico, às vésperas das festas de fim de ano e das férias, períodos em que tradicionalmente ocorre um aumento nos registros de ocorrências de trânsito.

Para contextualizar, em 2019, antes da pandemia, houve 31.945 mortes por essa causa. Os anos de 2020 e 2021 apresentaram um aumento nessas estatísticas, com 32.716 e 33.813 mortes, respectivamente. Em 2022, os dados preliminares indicaram 32.174 óbitos.

José Octavio Soares Hungria, presidente da Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico (TRAUMA), ressalta que os acidentes de trânsito não apenas resultam em mortes, mas também em graves sequelas físicas e emocionais para os sobreviventes. Politraumatismos, lesões permanentes, cicatrizes, incapacidade motora e aposentadoria compulsiva são alguns dos impactos duradouros desses acidentes.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a grande maioria dos acidentes, cerca de 80%, poderia ser evitada com mudanças no comportamento dos motoristas. Em 2023, 77% dos acidentes foram atribuídos a escolhas erradas dos condutores, como ultrapassagens indevidas, velocidade incompatível com a via, ingestão de álcool, falta de atenção e desrespeito às leis de trânsito.

O especialista enfatiza a importância do uso do cinto de segurança, que reduz significativamente o risco de lesões graves ou morte em acidentes. Em batidas laterais ou capotamentos, o cinto é crucial para proteger os ocupantes. Para as crianças, a utilização correta de cadeirinhas e assentos de segurança é fundamental.

Hungria finaliza com um apelo à responsabilidade e atenção no trânsito, ressaltando que a segurança é uma questão coletiva. Ele lembra que a prudência ao volante é essencial para garantir que os momentos festivos sejam vividos com alegria e segurança, concluindo com o ditado: “Devagar e sempre”.

spot_img