Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

-publicidade-

Acolhidos em Abrigo Emergencial do Governo do Estado recebem evento em homenagem ao Dia das Mães

Espaço é voltado somente para pessoas que se encontram em situação de rua

Com música ao vivo, distribuição de brindes e lanches, os acolhidos no Abrigo Emergencial Temporário voltado à população em situação de rua contaram, nesta sexta-feira (07/05), com uma ação alusiva ao Dia das Mães desenvolvida pela Organização da Sociedade Civil (OSC) Centro de Formação Vida Alegre. O espaço foi inaugurado pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), no dia 25 de fevereiro, tendo diariamente o corpo técnico de algumas secretarias do Governo.

O abrigo segue determinação do governador Wilson Lima de atender ao público em vulnerabilidade social, para que essas pessoas tenham acesso aos seus direitos legais, além de ser uma maneira de protegê-los da infecção pelo novo coronavírus, causador da Covid-19.

Atualmente, o espaço conta com cinco mães abrigadas. Para o gerente de Políticas à População em Situação de Rua, Edney de Souza, a importância do evento não é somente de cunho sentimental, mas de ajudar a reativar o vínculo familiar dos abrigados.

“Por meio da Sejusc, do Abrigo Emergencial Provisório, temos conseguido reativar alguns vínculos familiares. Algumas mães chegam a vir aqui, seguindo o devido protocolo de segurança [contra a Covid-19]. Alguns, através disso, conseguem voltar para casa”, disse o gerente.

A coordenadora da OSC Vida Alegre, Ana Maria Reis, explicou que o projeto conta com Termo de Fomento da Secretaria Estadual de Assistência Social (Seas), consistindo na realização de abordagens sociais com a população em situação de rua. “No abrigo, semanalmente, a OSC desenvolve rodas de conversa, palestras e apresentações, como essa em homenagem ao Dia das Mães”, contou.

Uma abrigada, mãe de dois jovens, um de 20 e outro de 16 anos, fez questão de deixar um recado para a mãe, identificada apenas como Irene, que mora no bairro São Jorge, zona oeste de Manaus.

“Mãe, está ruim longe da senhora, me perdoa por tudo o que eu fiz, me perdoa porque não fui uma boa filha. Queria muito estar com a senhora, mas infelizmente não estou. Porém, mando este recado do fundo do meu coração: Deus está restaurando a minha vida. Eu lhe amo demais e logo, logo irei pedir perdão de você”, disse a mulher, que há um ano está em situação de rua.

FOTO: Raine Luiz/Sejusc

-publicidade-