Adaf promove palestra online sobre Senecavírus em suínos na próxima segunda-feira (05/07)

Evento é voltado para médicos veterinários e outros profissionais ligados ao setor pecuário

Para ampliar o conhecimento de médicos veterinários e outros profissionais do setor pecuário sobre doenças que afetam suínos, a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf) promoverá, na próxima segunda-feira (05/07), a palestra ‘Doenças Vesiculares no Amazonas: Situação do Senecavírus A e o Histórico da Doença”.

O evento será transmitido pelo canal da Adaf no Youtube, a partir das 15h, com emissão de certificado.

A palestra será ministrada pela Doutora Edviges Maristela Pituco, coordenadora do Laboratório de Referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para Febre Aftosa e Estomatite Vesicular pelo Centro Pan-americano de Febre Aftosa e Saúde Pública Veterinária da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (PNAFTOSA-OPAS/OMS).

Segundo a gerente de defesa animal da Adaf Graziele Domingues, a viabilização da palestra contou com a parceria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o apoio do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Amazonas (CRMV/AM), que tem como objetivo gerar conhecimento sobre o Senecavírus A, doença que vem se tornando cada vez mais relevante no Brasil.

“Essa palestra é voltada para médicos veterinários e outros profissionais ligados ao setor pecuário, em especial, no estado do Amazonas, onde a doença causada pela Senecavírus nunca foi notificada”, destacou.

Sobre o Senecavírus – O Senecavírus é uma doença relativamente nova nos rebanhos de suínos. Ela causa lesões no focinho dos animais e em torno da coroa dos cascos. Os primeiros casos da doença foram relatados em 1988, nos Estados Unidos, quando o agente circulava de maneira silenciosa nos rebanhos.

No Brasil, os primeiros casos de Senecavírus foram registrados entre 2014 e 2015. Até então, os produtores relacionavam as doenças vesiculares que causavam estas lesões a problemas sanitários. Isso porque a manifestação da doença no rebanho é semelhante à de outras, que devem ser obrigatoriamente notificadas aos órgãos de fiscalização, como a febre aftosa; Doença vesicular dos Suínos; Estomatite Vesicular; e Doença Exantemática dos suínos.

A doença tem origem idiopática e é uma infecção que apresenta sintomas semelhantes aos da febre aftosa, como lesões, febre e dificuldade de movimentação dos animais.

O vírus não causa impactos de saúde pública e nem embargos econômicos, porém, tem grande importância, já que a diferença do Senecavírus com a febre aftosa é feita apenas com análises de laboratório.