Take a fresh look at your lifestyle.

Adjuto Afonso destaca importância da discussão sobre fibras naturais viabilizada pela Federação dos Agricultores

-publicidade-

Na manhã desta quarta-feira (11) o deputado Adjuto Afonso (PP) participou da 1a. Reunião Ordinária da Sub-Câmara de Fibras Naturais de 2015, coordenada pela Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas (Faea). A reunião, que acontecerá durante todo o dia de hoje, tem por objetivo discutir e propor medidas para solucionar problemas e demais alternativas de fortalecimento da cadeia produtiva das fibras naturais do Amazonas, tema que o deputado trouxe para o plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM).

Em seu pronunciamento, o deputado ressaltou a participação de vários segmentos da sociedade na reunião, como por exemplo, Banco do Brasil, Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), além do Secretário de Estado de Produção Rural, Waldenor Pontes. “No início dessas discussões, que deve se prolongar durante todo o dia, certamente vão encontrar alguns gargalos que essa Casa também possa ajudar a melhorar para esses produtores rurais. Há quatro anos atrás nós tínhamos dez mil toneladas de fibras produzidas aqui no Estado do Amazonas e, segundo relato da ADS, este ano deve ficar em torno de 4 mil toneladas”, relatou o deputado, ressaltando, ainda, o número de empregos perdidos com tal resultado, assim como os prejuízos causados para a economia do Estado.

De acordo com o deputado Adjuto existe duas indústrias de fibras instaladas no município de Manacapuru (84 km da capital), produto este que está sendo importado. “Imagine o quanto nós estamos gastando com o dólar para importar essa fibra que é tão importante para nossa economia e que deve o governo do Estado ajudar com a sua subvenção”.

O deputado ressaltou também que esteve essa semana com o governador do Estado, na Faea, discutindo o setor industrial e que chegou a hora do setor primário, proposta do atual governo na campanha eleitoral. “Lá se discutiu, por exemplo, o endividamento dos produtores. Nós precisamos descobrir por que esse produtores estão hoje endividados, se não venderam seu produto ou se o dinheiro teve uma alta muito grande nos juros. Isso tudo vai ser discutido hoje nessa reunião. Eu espero que ao término a gente possa sair com uma grande carta dessa discussão e que seja a nível federal, a nível de Estado, pra gente não deixar que esse segmento tão importante possa de uma forma ou de outra vir contribuir negativamente para o nosso Estado”, disse ele.

Na ocasião, o deputado Sidney Leite (Pros), parabenizou a iniciativa da Federação dos Agricultores, e ressaltou a importância de aprofundar a discussão nesse segmento. “Com o aumento do dólar talvez beneficie o produtor amazonense, mas o grande o desafio é que a fibra produzida na Índia chegue em Manaus mais barato do que a gente consegue produzir aqui, e, diga-se de passagem, só quem conhece como se produz juta e malva sabe do trabalho, que eu diria quase escravo, em que o produtor é submetido àquilo, a ficar grande parte do dia submerso à água e variavelmente tá ali sendo atacado por bichos, vulnerável a inúmeras doenças, é um trabalho muito sacrificoso, e espero que possa se chegar ao entendimento de soluções alternativas. O governo do Estado tem dado a sua contribuição com a subvenção mas ela é insuficiente frente à competitividade com a produção da fibra na Índia”.

O deputado Adjuto Afonso finalizou dizendo que no evento também está sendo discutido os temas pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias pela Embrapa. “Nós não podemos ficar só na dependência da subvenção que o governo proporciona a esses agricultores, tem que ter mais, e como disse o deputado Sidney, esse trabalho é quase que escravo, mas a gente precisa desenvolver, temos que entender que é importante para a nossa economia, portanto, vamos melhorar e dar uma oportunidade para que esses agricultores saiam desse trabalho escravo mas que possa garantir a sua renda e a sua sobrevivência”.

-publicidade-