Take a fresh look at your lifestyle.

Aldeias indígenas do Amazonas recebem alimentos em para diminuir impacto da pandemia

-publicidade-

O Governo do Amazonas, através da Fundação Estadual do Índio (FEI), vem realizando uma série de ações de apoio às comunidades indígenas neste período de pandemia da Covid-19. E, na última semana, já entregou 713 cestas básicas em oito comunidades indígenas das zonas leste, norte, sul, centro-sul, zona rural de Manaus e em mais 17 comunidades do interior. As cestas foram entregues aos caciques que destinarão uma a uma às famílias, evitando assim aglomerações.

Segundo Edivaldo Munduruku, diretor-presidente da FEI, o governo do estado vem atuando para atender todas as demandas. “O governador Wilson Lima tem trabalhado permanentemente no sentido de garantir a contenção dessa pandemia e oferecer todo o cuidado que precisamos”, afirmou Munduruku.

As ações da fundação não se limitam só à capital, o mesmo apoio alimentício já foi destinado para comunidades indígenas de Itacoatiara, Nhamundá e Manacapuru. Um total de 420 cestas básicas foram distribuídas entre 16 aldeias espalhadas pelo interior desses municípios.

Para os indígenas, essa ação governamental, é a única maneira de continuarem seguindo o protocolo de isolamento social por conta do novo coronavírus. Todos expressaram sua gratidão pela ação que vem tranquilizando e suprindo no momento suas necessidades.

“Obrigado a Deus, ao Governador Wilson Lima e aos diretores da FEI, que estão nos ajudando nesse momento difícil de pandemia”, enfatizou a cacica Ana Mura, da Aldeia Jaçanã, localizada na rodovia AM 010, KM 219, em Itacoatiara. Da mesma forma o cacique Zaqueu Feya, do povo Hexcaryano de Nhamundá. “Só nós sabemos o quanto essa ação é de suma importância para nosso povo. Só temos a agradecer”, enfatizou.

O diretor técnico da FEI, Fabrício Corrêa, explicou que apesar do momento pandêmico, o Governo do Estado tem atuado de maneira intensa, não apenas tratando dos problemas existentes, mas principalmente na garantia da segurança alimentar. “Por se tratar de vida de irmãos indígenas, damos continuidade ao trabalho de assistência já iniciado em março de 2020”, afirmou.

FOTO: Divulgação/FEI

-publicidade-