Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

Álvaro Campelo: “redução em 10% na tarifa de eletroeletrônicos e máquinas “fere de morte” a Zona Franca de Manaus”

Em resposta a mais um ataque ao modelo econômico da Zona Franca de Manaus (ZFM) feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, o deputado estadual Álvaro Campelo (Progressistas), repudiou na tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), na manhã desta quinta-feira (18), a decisão da pasta, que reduz em 10% a alíquota do imposto de importação cobrado sobre eletroeletrônicos, máquinas e equipamentos, que segundo o parlamentar, “fere de morte” o modelo ZFM.

O anúncio vem logo após a promessa do ministro de reverter a redução da alíquota sobre a importação de bicicletas, também defendida pelo parlamentar que, na época, propôs a criação de uma “força-tarefa” composta por Assembleia Legislativa, Bancada Federal e Governo do Estado, para ir até Brasília exigir mudanças na proposta, uma vez que tais medidas gerariam insegurança jurídica aos investidores e perda de vagas no mercado de trabalho.

Álvaro Campelo propõe uma nova mobilização da bancada amazonense, para que se evite um desastre econômico no estado. “Mais uma vez, o ministro Paulo Guedes tenta prejudicar o Polo Industrial de Manaus. Tudo começou com o polo de concentrados. Em seguida, nós tivemos a tentativa de prejudicar o polo de bicicletas, e que houve ontem uma decisão contrária, depois da pressão da bancada federal. Só que o ministro Paulo Guedes deu com uma mão e tirou com a outra. Agora, ele reduz a alíquota do setor de eletrônicos, máquinas e equipamentos. Isso fere de morte o nosso modelo”, lamentou o parlamentar.

O deputado avalia a medida como desleal, por tirar empregos do Brasil e beneficiar outros países. “Caso isso aconteça, vai abrir concorrência e gerar empregos na China, e o nosso país precisa, nesse momento de pandemia, de empregos. O ministro Paulo Guedes toma suas decisões sem discutir com o setores afetados, e a nossa bancada tem que se mobilizar novamente, para evitar que esse desastre aconteça”, finalizou Álvaro Campelo.

-publicidade-