Amazonas está no Edital de Inovação para a Indústria em dois projetos

Manaus - AM 27/10/2010 Linha de produção de eletro eletrônicos da Semp Toshiba . Foto: José Paulo Lacerda

Uma plataforma para gerenciar usinas fotovoltaicas de geração compartilhada e um guarda-volumes automatizado com interface touchscreen são as contribuições inovadoras do Amazonas entre os 61 projetos escolhidos na primeira seleção de 2018 do Edital de Inovação para a Indústria, anunciados nesta quinta-feira (18) pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Neste mês, o Edital atingiu a marca de mil projetos selecionados em todo o país nos quais foram investidos mais de R$ 545 milhões em 14 anos.

Além de fomento, as empresas selecionadas contam com apoio da infraestrutura da rede de 26 Institutos SENAI de Inovação e dos 58 Institutos SENAI de Tecnologia. O objetivo é estimular o desenvolvimento de soluções inovadoras para a indústria brasileira, sejam novos produtos, processos ou serviços de caráter inovador, incremental ou radical.

Criados por empresas, respectivamente, de Minas Gerais e São Paulo, os dois projetos serão desenvolvidos, o primeiro integralmente, o segundo em parte, pelo Instituto SENAI de Inovação (ISI) em Microeletrônica, do SENAI Amazonas, com recursos financeiros não-reembolsáveis do SENAI Nacional, nos valores de R$235,5 mil para o projeto de Minas, e de R$ 212 mil para o projeto de São Paulo. O Departamento Regional do SENAI e as empresas devem complementar esses valores.

Para a startup mineira Sharenergy, que atua com projeto de usinas fotovoltaicas de até 5 MWp, o ISI do Amazonas vai desenvolver a plataforma GDash que tem como proposta de valor facilitar o gerenciamento de usinas de geração compartilhada, de alocação e realocação de clientes em cotas, além de oferecer como ferramenta um algoritmo de cálculo do faturamento.

De acordo com o diretor do ISI em Microeletrônica, José Roberto Casarini, a plataforma conta ainda com dados estatísticos, financeiros e ferramenta de gestão da execução, da instalação e do O&M (organização e método) da usina.

O segundo projeto inovador será desenvolvido para a empresa paulistana EntregAli, o CollectSpot, uma solução IoT (sigla em inglês para Internet das Coisas) que permite gerenciar a guarda temporária de objetos para terceiros. A ferramenta tenta resolver um dos grandes problemas dos clientes de lojas virtuais na hora de receber as compras feitas pela internet. Segundo Casarini, trata-se de um guarda-volumes automatizado com interface touchscreen para controle de acesso. Possuem fechaduras eletrônicas e sensores de abertura de portas.

Em relação ao projeto da Sharenergy, o ISI do Amazonas ficou responsável pela pesquisa mercadológica do dispositivo de comunicação e pelo desenvolvimento dos hardwares para comunicação com os inversores e com as estações meteorológicas e envio dos dados para a plataforma web.

No desenvolvimento do CollectSpot, a equipe do ISI em Microeletrônica vai trabalhar em conjunto com o pessoal da empresa EntregAli e do SENAI de Minas Gerais para desenvolver controladores eletrônicos e componentes, além do aplicativo para interface com o usuário, tendo como desafio tecnológico a otimização do sistema eletrônico.

Doutor em engenharia de materiais, José Roberto Casarini vai atuar como gestor operacional do projeto da Sharenergy e terá em sua equipe cientistas e especialistas em controle, automação e engenharia elétrica. O financiamento será dividido pelo SENAI Nacional e departamento regional da instituição.

O Edital de Inovação para a Indústria é uma iniciativa do SENAI, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e do Serviço Social da Indústria (SESI).

Novos produtos

Desde 2004, quando foi criado, o Edital de Inovação para a Indústria já ajudou mais de 800 empresas a serem competitivas por meio de novos produtos e processos inovadores, tornando-se um dos mais importantes instrumentos de fomento no Brasil.

Nas últimas edições, entre os projetos do Amazonas que se destacaram no Edital estão o da empresa Hidrotec da Amazônia, para criar um sistema de monitoramento e controle do uso de nutrientes em plantações hidropônicas (2016), e o desenvolvimento de um gel para tratamento de varizes por meio do nanoencapsulamento de extratos vegetais da Amazônia (2015).

Nesta edição, o Edital de Inovação para a Indústria vai investir R$ 55 milhões nas ideias propostas em cinco categorias: Inovação Tecnológica para Grandes e Médias Empresas; Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas (MPE), Micro Empreendedor Individual (MEI) e Startups de Base Tecnológica; Empreendedorismo Industrial – Grandes empresas e Startups; Inovação em Segurança e Saúde no Trabalho (SST) e Promoção da Saúde (PS) e Inovação Setorial em Segurança e Saúde no Trabalho (SST) e Promoção da Saúde (PS).

Os estados que tiveram propostas selecionadas, além das duas do Amazonas, foram São Paulo (11 escolhidas), Pernambuco (9), Paraná (8), Minas Gerais (8), Santa Catarina (6) Rio Grande do Sul (4), Rio de Janeiro (7), Ceará (2) Espírito Santo (2), Mato Grosso do Sul (1) e Bahia (1).