Anamã e Novo Airão elegem novos prefeitos neste domingo (28)

Os eleitores de duas cidades do Amazonas, no caso Novo Airão e Anamã vão que ter que votar para governador do estado, presidente da República e prefeito, no próximo domingo (28). Os municípios vão ter eleições suplementares para prefeituras dos municípios, que serão realizadas simultaneamente com a votação do 2º turno. Os pleitos para as prefeituras dessas cidades ocorrem após Justiça Eleitoral cassar os prefeitos eleitos nas últimas eleições de 2016.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) em Anamã e Novo Airão os eleitores terão que votar na seguinte ordem:

1º candidato ao cargo de governador;
2º candidato ao cargo de presidente;
3º candidato ao cargo de prefeito.

Os candidatos que disputam a Prefeitura de Anamã são:

Chico do Belo (PMN): 33
Edilson Pacamon (PT): 13
Huerton Colares (MDB): 15

Os candidatos que disputam a Prefeitura de Novo Airão são:

Daniel Barros (PRTB): 28
Frederico Júnior (MDB): 15
Professor Massarico (REDE): 18
Tiburtino (DEM): 25

Segundo o TRE, há 22 seções, com 22 urnas, em Anamã. Haverá mais 10% de urnas de reserva, caso necessite de alguma substituição.

Já em Novo Airão são 32 seções, com 32 urnas, além de 10% de urnas de reserva. A cidade fica localizada a 115 km de distância da capital.

Os candidatos eleitos nessas eleições suplementares deverão cumprir o restante dos mandatos iniciados em janeiro de 2017.

Prefeitos cassados

Os prefeitos eleitos tiveram registros de candidaturas indeferidos por irregularidades barradas com base na Lei da Ficha Limpa. O prefeito de Anamã Raimundo Pinheiro da Silva, o Raimundo Chicó (PMDB), foi condenado pela prática de abuso de poder econômico reconhecida em Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME). A condenação o deixa inelegível por oito anos.

Wilton Pereira dos Santos (PSDB), que foi eleito prefeito de Novo Airão, foi condenado pela Justiça Federal por improbidade administrativa em 2011 em irregularidades de aplicação de recursos federais. O registro de candidatura de Wilton Pereira foi barrado com base na Lei da Ficha Limpa e Lei Complementar nº 64/1990.

Em razão de julgamento proferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os diplomas dos dois prefeitos foram cassados nos municípios. Com informações do G1 da Globo