Arábia Saudita confirma morte de jornalista Jamal Khashoggi

A Arábia Saudita confirmou, na madrugada deste sábado (20), a morte de Jamal Khashoggi, jornalista desaparecido desde o dia 2 de outubro, quando entrou no consulado de seu país em Istambul.

Um comunicado transmitido pelo canal de notícias estatal saudita confirmou que resultados preliminares da investigação apontam a morte do jornalista. O motivo do assassinato seria uma briga entre a vítima e funcionários do consulado, disse o governo.

O comunicado informou também que 18 cidadãos sauditas foram presos em decorrência do caso. O subdiretor dos serviços secretos do país, e o membro do Conselho Real foram demitidos segundo informações do procurador saudita.

Estes são os primeiros passos da investigação, que deve continuar até seu desfecho. Um comitê ministerial teria sido criado após ordem do rei Salman, para reestruturação da agência geral de inteligência do país.

Khashoggi, crítico do regime saudita e colaborador do Washington Post, foi ao consulado saudita para buscar documentos que necessitava para se casar com a namorada turca. O jornalista foi filmado entrando no consulado, mas jamais visto saindo.

A polícia da Turquia começou então a investigar o seu paradeiro e a investigação apontou o prédio oficial da Arábia Saudita como sendo o local da morte do jornalista. Seu corpo teria sido mutilado após tortura em interrogatório.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes