Take a fresh look at your lifestyle.

Argentina foi principal destino das exportações do Amazonas em dezembro de 2020

-publicidade-

Exportações do Estado totalizaram US$ 786,53 milhões no ano passado, num crescimento de 7,58% em relação a 2019

A Argentina foi o principal destino das exportações do Amazonas no mês de dezembro de 2020, sendo responsável por 22,77% do total das exportações para o período, representando o volume de US$ 15,36 milhões. É o que aponta o último relatório da Balança Comercial do Amazonas, elaborado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti).

O documento mostra também que o item mais exportado para a Argentina foi “outras máquinas e aparelhos de escritório” (dispensadores de caixas eletrônicos), com cifra de US$ 8,96 milhões, o equivalente a 13,28% do total exportado. O país foi responsável por 100% das aquisições do produto.

Considerado isoladamente, o produto mais exportado em dezembro de 2020 foi “outras preparações alimentícias” representando o montante de US$ 13,95 milhões, o equivalente a 20,69% do total exportado, sendo a Bolívia o destino principal, com a participação de 54,11% desse valor. Outro destaque da Balança foram as exportações de “Motocicletas”, com cifras da ordem de US$ 5,48 milhões para a Austrália.

No ano de 2020, a Balança Comercial do Amazonas registrou um total de US$ 786,53 milhões em exportações, num crescimento de 7,58% em relação ao ano de 2019. O resultado positivo se deu mesmo com uma redução nas exportações em dezembro de 2020, com diminuição de 17,13% na comparação com dezembro de 2019, e de 15,09% em relação a novembro de 2020. O montante de valores exportados no mês foi de US$ 67,46 milhões.

Para o secretário da Sedecti, Jório Veiga, os números mostram um horizonte otimista para 2021, apesar da crise sanitária que atinge o país e o planeta.

“Os números da Balança Comercial significam que, mesmo em período de crise provocada pela pandemia do novo coronavírus e as restrições por ela impostas, pudemos seguir com as atividades de comércio exterior, diversificando as exportações, como é o caso dos dispensadores de caixas eletrônicos para a Argentina. Esperamos um aumento na corrente de comércio para o ano de 2021”, ressaltou Veiga.

Crescimento nas exportações no ano – Em 2020, a Venezuela se destacou como o principal país de destino das exportações amazonenses (24,68%), enquanto a China aparece como destaque da origem das importações (20,75%). O produto com a maior saída do Amazonas no ano passado foi o óleo de soja para a Venezuela, o equivalente a 58,35% do total das exportações.

Para todo o período de 2020, o item mais exportado pelo estado aparece na Balança Comercial como “outras preparações alimentícias”, com participação de 18,46% e o montante de US$ 145,19 milhões. O país que mais recebeu esse item foi a Colômbia, ficando responsável por 35,75% de participação no total de exportações.

Em 2020, a China foi o principal país de origem das importações do Amazonas, representando 42,97% do total das exportações e o total de US$ 4,17 bilhões. O item mais importado no período aparece na Balança Comercial como “outras partes de aparelhos transmissores”, o equivalente a 27,58% das importações para aquele país. O valor total das importações para o Amazonas foi de US$ 9,71 bilhões em 2020.

Interior exportou para China e Rússia – Ainda segundo dados da Balança Comercial do Amazonas de dezembro de 2020, Itacoatiara e Presidente Figueiredo continuam sendo os municípios que mais exportaram e vêm se mantendo no topo do ranking.

O município de Presidente Figueiredo (a 117 quilômetros de Manaus) foi o maior exportador do período ao movimentar cifras da ordem de US$ 3,51 milhões na exportação de ferro-ligas para a China. Itacoatiara (a 276 quilômetros da capital) ficou em segundo lugar, responsável pelo volume de US$ 2,87 milhões em exportações de soja para a Noruega, no mês de dezembro.

Ainda segundo o levantamento, considerando os valores, Itacoatiara foi o principal exportador do interior do Amazonas durante todo o ano de 2020. O município na região do Médio Amazonas foi responsável por movimentar o total de US$ 59,04 milhões, com a exportação de soja para a Rússia. Presidente Figueiredo se manteve em segundo lugar, com o montante de US$ 49,24 milhões, com a exportação de ferro-ligas para a China.

Importações – Nas importações, em dezembro de 2020, influenciado pelas operações de empresas do setor de extração de gás natural, o município de Silves (distante 204 quilômetros de Manaus) se destacou como maior importador, ficando responsável pelo total de US$ 2,50 milhões. As importações tiveram a Argentina como o maior parceiro comercial e o item “aparelhos térmicos” como principal item importado.

Iranduba (a 27 quilômetros da capital) ficou em segundo lugar, com o valor de US$ 0,27 milhões, tendo o Japão como principal local de origem de importações do item “motores de pistão”. Silves também se destacou em 2020 com cifras da ordem de US$ 83,67 milhões, sendo o item “aparelhos térmicos” o principal produto adquirido com origem na Argentina.

Outro destaque é o município de Nova Olinda do Norte (distante 135 quilômetros de Manaus) com o montante de US$ 9,95 milhões, tendo os Estados Unidos como o responsável pela origem das importações do item “grupo electrogéneos”, principal produto importado.

No relatório geral da Balança Comercial, as importações do Amazonas, em dezembro de 2020, registraram o total de US$ 844,29 milhões – um aumento de 21,17% na comparação com dezembro de 2019 e retração de -5,34% na comparação com novembro de 2020.

A China se manteve como principal origem das importações para o Amazonas, com o total de US$ 382,02 milhões – o que representa a participação de 45,25% das importações totais do estado, em dezembro de 2020.

O principal produto importado em dezembro aparece no relatório como “outras partes destinadas aos aparelhos transmissores”, no valor de US$ 98,02 milhões, o equivalente a 11,61% das importações da China, que ficou responsável por 83,05% do total. O item “processadores e controladores” foi o segundo produto mais importado, alcançando cifras de US$ 76,27 milhões, com participação de 9,03%. O país asiático de Taiwan aparece como origem de 34,26% das compras desse produto.

Também em dezembro, a Corrente de Comércio do Estado do Amazonas (a soma das importações com as exportações) totalizou o montante de US$ 911,74 milhões – um crescimento de 17,17% na comparação com dezembro de 2019 e redução de -6,14% em relação a novembro de 2020. O saldo da Corrente de Comércio em dezembro foi de US$ -776,83 milhões.

Balança Comercial Amazonas – A Balança Comercial Amazonas é um dos estudos produzidos pelo Departamento de Estudos, Pesquisas e Informações (Depi) da Sedecti, tendo como fonte principal de informação a Secretaria de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais (Secint) do Ministério da Economia (ME).

O objetivo do trabalho é de acompanhar o desempenho mensal das relações comerciais do Amazonas e, dessa forma, permitir o entendimento de sua evolução nas exportações e importações.

Para acompanhar esses e outros estudos, basta acessar o Painel da Balança Comercial do Amazonas no site da Sedecti (www.sedecti.am.gov.br), na aba “Indicadores e Mapas”.

FOTO: Divulgação/Secom

-publicidade-