Adolescentes mostram sintomas, mas nunca tiveram o diagnóstico

A resposta é não, segundo o especialista Dr. Álvaro Cruz, um dos palestrantes do 45º Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia, que será realizado em Recife, entre 20 e 23 de outubro. Ele explica que a asma e a rinite crônica (alérgica ou não alérgica) estão frequentemente juntas e são as doenças crônicas mais comuns na infância e adolescência. “A despeito disto, a negligência para com a asma é tamanha que nem mesmo enfermeiros e muitos médicos de família sabem lidar com a doença, que ainda mata mais de 2 mil brasileiros a cada ano. Mortes que poderiam ser prevenidas com tratamento adequado”, comenta o médico.

A maioria dos estudos sobre a frequência de asma no Brasil e no mundo foram feitos em escolares. Em 2012, o Ministério da Saúde conduziu pesquisas com mais de 100 mil adolescentes escolares de todos os estados brasileiros. A constatação é de que 22% referem sintomas de asma no último ano e 11% apenas têm história de um diagnóstico de asma, o que indica que muitos adolescentes têm sintomas, mas nunca tiveram o diagnóstico.

Para o Dr. Álvaro Cruz, as crianças com asma deveriam ser identificadas pelos professores e recomendadas a levar o seu broncodilatador de alívio imediato sempre para a escola. No caso de um ataque inesperado de asma, a criança deve usar a sua medicação, conforme a recomendação do seu médico. Ter em mãos cópia da prescrição do médico e do plano de ação para ataques de asma, para que os professores e funcionários da escola ajudem os alunos asmáticos, reforçando que quando preciso usem as suas medicações, também são indicações passadas pelo especialista.

Escolas no Brasil – Duas experiências são consideradas interessantes por especialistas, sendo uma em Salvador (BA), conduzida pela enfermeira Ana Carla Carvalho Coelho, professora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia, e a outra em Uruguaiana (RS), com a professora Dra. Marylin Urrutia, com apoio do Professor Dirceu Solé, ambos da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI). “As ações colocadas em prática demonstraram que é possível ensinar aos alunos, funcionários e professores sobre a asma. Este aprendizado pode mudar completamente a atitude em relação à doença”, relata o médico.

Dr. Cruz conta que a Sociedade Brasileira de Pediatria e a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, com o apoio de organismos internacionais, vêm propondo a inclusão de temas de Saúde, entre eles a asma, no currículo das escolas no primeiro grau.

Para ele, é fundamental educar professores, funcionários, alunos e pais sobre a asma. Somente assim todos irão reconhecer a doença e perder o medo de usar medicação quando necessário. O especialista lista abaixo duas providências básicas, porém muito importantes, que devem ser indicadas aos pais.

– Vá pessoalmente à escola e entregue uma cópia da última receita do médico, explicando a situação e informando que o filho pode precisar usar medicação no período das aulas.

– Estimule os seus filhos a fazerem atividade física, ainda que a atividade aeróbica possa desencadear sintomas, já que eles podem ser facilmente controlados com uma aspiração de broncodilatador. Os benefícios da atividade física são maiores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here