Take a fresh look at your lifestyle.

Associação de bares e restaurantes criticou novo decreto de fechamento de estabelecimentos e considera medida ‘injusta’

A associação fez uma coletiva de imprensa na tarde de quinta-feira (24)

-publicidade-

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/AM) criticou o decreto do Governo do Amazonas que determinou o fechamento de bares e balneários em Manaus, em uma coletiva de imprensa na CDL Manaus, na quinta-feira (24).A categoria considerou a medida “injusta” e uma reunião foi marcada com o governo para tentar reverter situação.

A decisão de fechamento de bares e balneários na cidade foi tomada pelo governo após um aumento nos números do novo coronavírus, que já passa de 134 mil casos, com mais de 3,9 mil mortes pela doença no estado, até esta quinta.

De acordo com o presidente da Abrasel/AM, Fábio Cunha, a medida é vista como injusta pois estabelecimentos cumpriam as medidas de prevenção ao novo coronavírus não podem ser penalizados por aglomerações em festas clandestinas e postos de combustíveis.

Cunha criticou a decisão do governo sobre o decreto pois, segundo ele, há estabelecimentos que cumprem as medidas de prevenção ao novo coronavírus impostas por órgãos de saúde e não deveriam ser penalizados. Conforme o presidente da Associação, as fiscalizações deveriam ser intensificadas em postos de combustíveis e festas clandestinas.

“A gente não quer proliferar o vírus na cidade e somos responsáveis pelas pessoas que frequentam o nossos estabelecimentos. É muito mais seguro o pessoal estar dentro de um bar em que segue todas as medidas de distanciamento e higiene, do que estar aglomerado em um posto de gasolina, uma festa clandestina, sem segurança nenhuma. É muito mais seguro estar dentro de um bar e de um restaurante que cumprem todos os protocolos”, comentou.

Com isso, a categoria não esperava o decreto com o fechamento dos estabelecimentos, mas uma flexibilização do horário de atendimento.

“Nós solicitamos uma audiência com o governador. Ela foi atendida e, amanhã (25), estaremos com ele para tratar deste assunto. Vamos conversar para achar soluções. Porque os bares não aguentam mais fechar e os restaurantes precisam de uma flexibilização no horário de atendimento, para um maior tempo para atender os clientes”, disse.

 

Fonte: G1 Amazonas

-publicidade-