Amazonas Notícias

Banda Alaídenegão chega ao Rio de Janeiro para show na Lapa

A apresentação será na quarta-feira (11/3), no Ganjah, em noite de parceria com o grupo Afroribeirinhos

A banda amazonense Alaídenegão desembarca, nesta quarta-feira (11/3), no Rio de Janeiro, para uma apresentação única no palco do Ganjah Coffeeshop Lapa (Rua do Rezende, 82, Lapa). A programação da casa contará ainda com o grupo Afroribeirinhos.

Com 12 anos de carreira, a Neguinha, como a banda é conhecida no circuito alternativo de Manaus, é formada por Davi Escobar (voz e guitarra), Rafael Ângelo (guitarra), Markito Rock (trompete), Anastácio Jr. (bateria) e Mauro Lima (baixo). No repertório, o grupo apresentará aos cariocas ritmos como guitarrada, cumbia, carimbó e beiradão com letras que retratam o olhar do caboclo, as festas populares e a cultura do Norte do País, entre elas “Tecendo o Som”, “Banzeiro”, “Batom na Cueca” e “Rabeta”.

“Vamos lançar duas músicas novas, ‘Aranha’ e ‘Cordeiro’, que vão compor o próximo álbum de inéditas da Alaídenegão. As versões de ‘Macuxi Muita Onda’, de Gerônimo; e ‘Piranha’, de Alípio Martins; também não podem faltar no setlist”, adianta Davi Escobar. “Até o meio do ano, seguimos em estúdio, trabalhando uma série de músicas, incluindo versões, uma característica no nosso repertório. Vamos lançar todas em formato de single nas plataformas digitais”.

Beiradão – Segundo o vocalista, em 2020, a banda trabalha a divulgação de “A Poética dos Beiradões”, documentário contemplado no Natura Musical que aborda a produção fonográfica de compositores amazonenses como Teixeira de Manaus, Magalhães da Guitarra, André Amazonas, Oseas da Guitarra e Chico Caju que, na década de 1980, ao longo das beiradas dos rios amazônicos, instituíram um fazer musical em experimentações e trocas de saberes culturais.

Ele destaca que, por conta da pesquisa realizada pelo grupo sobre a música de beiradão, o atual setlist traz releituras de sucessos dos anos 80, como ‘Xangô’, do Magalhães da Guitarra; ‘Chamego de Mulher’, do Oseas da Guitarra; e ‘Brincando com as Cordas’, do André Amazonas”. Ele explica que as músicas compõem o trabalho audiovisual com assinatura da Cauxi Produtora Cultural.

“Neste mês, estivemos em São Paulo para promover o documentário com vivências e oficinas em espaços como Centro de Pesquisa e Formação Sesc São Paulo e Goethe Institut São Paulo, além do Estúdio Bixiga, onde fizemos um show com a participação dos mestres do beiradão, Chico Caju e Eliberto Barroncas”, comenta o cantor. “Ficamos muito felizes quando surgem oportunidades de apresentar o som do Norte para outras regiões do Brasil, essa conexão é fundamental para a banda se manter pulsante, respirando as novidades do cenário musical”.

Documentário – Com pouco mais de uma hora de duração, “A Poética dos Beiradões” conta com entrevistas e relatos dos músicos que protagonizaram o movimento; depoimentos dos pesquisadores Rafael Branquinho, sobre a etnografia do beiradão; e Odenei Ribeiro, sobre as questões sociais que envolvem o lazer da música

; e de Eliberto Barroncas, músico amazonense que apresenta suas experiências, percepções e ideias sobre música de beiradão.

A produção audiovisual foi lançada na capital amazonense em novembro do ano passado, com depoimentos de artistas que marcaram o movimento beiradão no Norte do País.

“A Poética dos Beiradões” está disponível no canal da Cauxi Produções no YouTube (www.youtube.com/user/cauxiproducoes) enquanto a Alaídenegão pode ser encontrada no Instragram (@alaidenegao), Facebook (Banda Alaídenegão), assim como Spotify e Deezer.

FOTO: DIVULGAÇÃO

Relacioandos