Bomba reserva já está instalada e vai garantir tranquilidade às famílias abastecidas pelo Proama

Já está totalmente instalada a nova bomba recebida no Centro de Captação do Programa Águas para Manaus (Proama), na Ponta das Lajes, zona Leste da cidade. O equipamento foi adquirido como instrumento reserva a fim de dar apoio à estrutura do programa nas ações preventivas e evitando a interrupção do abastecimento de água.
Ao todo, a Ponta das Lajes abastece cinco macros setores da cidade: São José, Jorge Teixeira, Nova Floresta, Mutirão e Cidade de Deus. O novo equipamento foi uma exigência da Prefeitura de Manaus para a modernização do sistema de captação.

O coordenador da Unidade Gestora de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário (UGPM Água), Sérgio Elias, explicou que as duas bombas que operam no Proama hoje captam juntas aproximadamente 2.500 metros cúbicos de água por segundo para o abastecimento das zonas Leste e parte da zona Norte da cidade. “Hoje se uma bomba apresentar defeito, temos uma bomba reserva para que o abastecimento não seja interrompido.”

Ainda dentro das exigências da prefeitura para a prestação de um eficiente serviço de abastecimento de água, R$ 9 milhões em multas foram aplicadas pelo Executivo Municipal nesta gestão.

Se contabilizado o total em multas para a concessionária desde 2000, esse valor sobe para aproximadamente 18 milhões. Desde valor, R$ 3.190.000 já estão na Justiça esperando pagamento por parte da Manaus Ambiental, acrescentou Sérgio Elias. “A atual gestão foi a única que acatou sem restrições todas as indicações de multas e advertências por parte da Arsam.”

Dentro do programa e sua área atingida, aproximadamente seis mil famílias de baixa renda estão cadastradas para pagarem apenas a tarifa social do programa. O benefício corresponde a 50% do valor integral da conta de água e está de acordo com o decreto de abril de 2014.

O coordenador da UGPM Água, ressaltou ainda que a Prefeitura inovou, oportunizando a tarifa entre os moradores de conjuntos habitacionais oriundos de programas do Governo Federal, Estadual ou Municipal, além de cadastrados no Bolsa Família. “Pela tarifa social, pessoas de baixa renda podem consumir regularmente até 15 mil metros cúbicos de água por mês.”

Sérgio Elias explicou que o número de contemplados com a tarifa social só não é maior, porque nem todos os que têm direito buscaram o benefício.

Para aderir ao programa, o interessado deve comparecer em qualquer sede do PAC ou posto de atendimento da Manaus Ambiental, apresentando cartão dos programas beneficiários específicos do qual faz parte, documentos que comprovem a titularidade da ligação de água, RG, CPF e Comprovante de Residência.

Entretanto, o usuário deve se manter regular com o pagamento da tarifa para preservar o desconto. Caso fique inadimplente após três faturas vencidas ou em caso de a ligação apresentar violação, adulteração ou fraude, o benefício vai poder ser suspenso, permitindo-se o reenquadramento a partir de sua regularização.