A Secretaria de Estado de Saúde (Susam), em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), realiza o curso de capacitação para “Cuidador Informal de Idosos Frágeis”. O evento, no Centro de Atenção Integral à Melhor Idade (Caimi) Ada Vianna, na Compensa 2, zona oeste, reúne 53 cuidadores informais.

Oferecido de forma gratuita, o curso de 20 horas, que termina nesta sexta-feira (24/05), qualifica familiares e cuidadores especialmente para a atenção com idosos mais fragilizados, que apresentam doenças crônico-degenerativas e que já estão acamados. A ideia principal, segundo a diretora do Caimi Ada Vianna, Gerlanne da Costa, foi capacitar os familiares e cuidadores para que ofereçam atenção de qualidade e mais humanizada.

A capacitação não tem caráter técnico-profissionalizante. Os participantes recebem palestras diárias com especialistas na área médica, de fisioterapia, odontologia, nutrição, assistência social e psicologia.

“Muitos têm dúvida sobre como a cuidar e lidar com os transtornos de humor, sobre como cuidar desse idoso mais fragilizado neurologicamente, sobre como lidar com o conflito familiar, para que todos tenham qualidade de vida. Então, damos essa orientação sobre o processo de envelhecimento dos pais”, declarou a diretora.

Os alunos foram preparados para lidar com alterações fisiológicas e patológicas, com as atividades do cotidiano dos idosos e com os cuidados em primeiros socorros. No âmbito da fisioterapia, a prevenção de quedas, as atividades físicas e a promoção de autonomia e independência foram abordadas pela equipe durante a formação.

Na área médica, os sintomas e tratamentos para síndrome metabólica, quadros demenciais, Alzheimer, Parkinson e os cuidados com medicamentos também fizeram parte do conteúdo. Além disso, noções de nutrição, assistência social e psicologia integraram a lista de assuntos que foram abordados, segundo informou a diretora.

Outros serviços – Os Centros de Atenção Integral à Melhor Idade (Caimis) oferecem serviços e consultas com médicos especialistas regularmente nas áreas de cardiologia, gastroenterologia, geriatria, fisioterapia, nutrição, odontologia, psicologia, serviço social, entre outros. Além de oficinas terapêuticas como artesanato, dança, hidroterapia e Tai Chi Chuan.

De acordo com a diretora, as especialidades são as mais frequentemente associadas às doenças mais prevalentes da terceira idade. “As oficinas são sempre terapêuticas, a partir de uma avaliação médica, com o encaminhamento podemos fazer atividades até um pouco mais puxadas como a oficina de dança e o Tai Chi Chuan”, concluiu a diretora.

A arte marcial chinesa, Tai Chi Chuan, que é aplicada no Caimi, combina exercícios corporais milenares que envolvem a respiração e a concentração.