Campanha emergencial ‘Diga Não ao Fogo’ é lançada para combater queimadas na Região Metropolitana de Manaus

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) e o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) lançaram nesta segunda-feira (08/10) a campanha “Diga Não ao Fogo”, como parte de uma ação emergencial de prevenção e combate às queimadas nos municípios da Região Metropolitana de Manaus (RMM). Nas últimas duas semanas, foram registrados 300 focos de calor que, no final de semana passado, deixou a capital encoberta por uma densa camada de fumaça.

O lançamento da ação aconteceu no final da reunião do Grupo de Trabalho e Prevenção de Queimadas (GT Queimadas), convocada pelo secretário da Sema e presidente do Ipaam, Marcelo Dutra. Participaram do encontro o superintendente regional do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), José Leland Barroso, e representantes das secretarias de Meio Ambiente de Manaus e Manacapuru.

Também participaram da reunião, representantes do Corpo de Bombeiros Civil do Amazonas, Batalhão Ambiental da Polícia Militar, Defesa Civil do Estado e gestores de Unidades de Conservação (UCs) do Estado. Durante o encontro, Marcelo Dutra apresentou o último Boletim das Queimadas mostrando que Manacapuru lidera focos de calor significativos, com 52 casos, que contribuiu para a massa de fumaça instalada sobre Manaus nos últimos dias.

Ele também apresentou o resultado da ação de combate a crimes ambientais nos municípios do sul do Amazonas, lançado em agosto deste ano em parceria com o Corpo de Bombeiros e o Batalhão Ambiental. Segundo Dutra, em dois meses, fiscais do Ipaam notificaram 40 propriedades e aplicaram multas que superam mais de R$ 9 milhões pela prática do desmatamento, queimadas e exploração ilegal de madeiras em Humaitá, Novo Aripuanã, Apuí e Boca do Acre.

Controle – O secretário informou que a Sema e o Ipaam já sabem quem pratica os crimes ambientais no Estado e quais são as áreas atingidas pelo desmatamento e queimadas. “Hoje nós temos o controle sob todo o território do Amazonas, a partir do uso de satélite. Então, quem desmata precisa entender que não pode fazer grande queimada a véspera de um feriado, numa oportunidade onde a fiscalização não esteja de plantão. Vão continuar sendo penalizado se insistirem”, disse.

Notificações, multas e embargos – Marcelo Dutra alertou que, a partir de imagens captadas via satélites, o órgão de controle ambiental vai começar a emitir, primeiro, notificações, nos casos menores, multas e embargos, nos casos maiores. “E inclusive, vamos fazer bloqueios da cadeia econômica. Quem faz desmatamento de pasto vai ter problema para vender seu boi. Quem faz aumento de desmatamento, exploração de madeira sem a licença ambiental, também terá problemas na comercialização”, afirmou.

FOTO: RICARDO OLIVEIRA