Você sabia que o tabagismo potencializa o desenvolvimento de diversos tipos de câncer? E que consumir com freqüência alimentos ricos em gordura saturada, bebidas alcoólicas e ter uma vida sedentária também? São informações de conhecimento público, mas que só chegaram ao alcance da população por força das ações de sensibilização e campanhas educativas de apoio à causa. Isto por que, hoje, o câncer é uma das doenças que mais matam no Brasil e no mundo. Apesar disso, afirmam especialistas, ele pode ser evitado em uma parcela significativa dos casos “esporádicos”.

A presidente da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), enfermeira Muniz, explica que os cânceres esporádicos são aqueles provocados, especialmente, por fatores externos. Entre os movimentos que buscam chamar a atenção para a prevenção, estão: ‘Outubro Rosa’, ‘Novembro Azul’, ‘Setembro Dourado’, ‘Julho Verde’ e o caçula da lista, o ‘Março Lilás’, introduzido ao calendário oficial do Amazonas, recentemente, para chamar a atenção para a necessidade de se prevenir as neoplasias malignas de colo uterino, que figuram no topo da lista em incidência quando se trata da população feminina no Estado.

Nos últimos 20 anos, destaca Marília Muniz, os movimentos sociais, ONGs e afins, passaram a fortalecer as campanhas educativas, de modo que a informação chegasse às escolas, empresas, órgãos públicos e privados, metodologia que acabou ampliando a repercussão das ações e chamando a atenção das autoridades.

“Hoje, tentamos trabalhar, com o apoio da mídia e de diversos parceiros, diversas temáticas ao longo dos anos, para que o processo seja contínuo e estimule cada vez mais a sociedade a participar”, frisou Muniz.

Ela explica que entre as campanhas estão: o Março Lilás (sensibilização sobre o câncer de colo de útero), Julho Verde (câncer de cabeça e pescoço), Setembro Dourado (câncer infanto-juvenil), Outubro Rosa (câncer de mama), Novembro Azul (câncer de próstata) e Dezembro Laranja (câncer de pele). Além disso, em meses alternados, são trabalhadas as prevenções a outros tipos de neoplasias malignas, como as de colorretal, cerebral, pulmão, entre outras.

Conscientização

“Acreditamos que só assim, conseguiremos atingir o maior número de pessoas. As ações têm efeito a longo prazo. A idéia é criar agentes multiplicadores e levar as novas gerações a compreenderem que o tabagismo, o alcoolismo, a indústria de fast foods, entre outros, ajudam a compor um grupo de fatores de risco. É mais: há evidências científicas suficientes para garantirmos que sozinhos ou combinados, esses fatores aumentam as chances de se desenvolver inúmeros tipos de cânceres, os quais chamamos de provocados”, alertou Muniz.

A Lacc participa ativamente das campanhas de prevenção no Amazonas, em parceria com o Departamento de Prevenção e Controle do Câncer (DPCC) da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado (FCecon), além de outros parceiros. O trabalho é financiado pelas doações da população à ONG, que também desenvolve projetos sociais de apoio a pacientes oncológicos de baixa renda. As contribuições podem ser feitas pelo portal www.laccam.org.br ou pelo telefone (92) 2101-4900.

Foto: Divulgação