Os políticos brasileiros já entraram com 340 processos na justiça para remover da internet informações em 2018. Uma em cada quatro dessas ações judiciais vieram dos estados de São Paulo e do Amazonas.

Os políticos paulistas moveram 44 processos para retirar conteúdo (13% do total), sendo que 11 deles são do candidato ao governo, João Dória Júnior. Os candidatos a deputado federal Samuel Moreira e a deputado estadual Barros Munhoz, também do PSDB, ocupam a segunda posição, mas com três processos cada um. Dória tentou remover páginas do Facebook e do Twitter que faziam críticas abertas ao ex-prefeito. Em 8 dos processos, os juízes determinaram que as páginas fossem retiradas do ar.

O estado de Amazonas tem número semelhante de processos tentando retirar informações do ar: 41. Amazonino Mendes, candidato à reeleição no governo do Estado, é quem mais foi à Justiça: ele é o responsável por 9 processos. As ações, em sua maior parte, tentam retirar textos e charges críticos à sua administração de páginas locais, como Amazonas em Tempo, Norte Editora e Portal do Zacarias. Após as primeiras ações judiciais, alguns dos sites escreveram que Amazonino tentava impor uma mordaça sobre eles. O texto sobre a tentativa de censura também foi alvo das ações judiciais de Amazonino para que fosse ocultado do ar.

Quase empatado no Estado do Amazonas está o senador Eduardo Braga, responsável por 8 processos. Ex-ministro de Minas e Energia do governo Dilma Rousseff, Braga tentou remover da internet conteúdos que relacionam o aumento das tarifas de energia à sua administração no Ministério. O candidato também tentou apagar referências a notícias sobre um episódio em que foi acusado de agressão a um deficiente físico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here