Take a fresh look at your lifestyle.

Com o corte do governo federal, orçamento da Ufam pode encolher R$ 150 milhões

-publicidade-

A vereadora Professora Jacqueline (PPS) alertou para o corte que o Ministério da Educação (MEC) irá fazer no repasse de recursos públicos às universidades federais. De acordo com informações do próprio MEC, as instituições federais de Ensino Superior deverão sofrer uma redução de até 30% na verba de 2015. Em 2014, o orçamento da Ufam foi de R$ 503 milhões, considerando a perda estimada pelo governo federal, a instituição poderá ficar sem R$ 150 milhões este ano.

“Mais uma vez a presidente Dilma Roussef está agindo na contramão das suas promessas feitas nas eleições passadas e tem praticado ações que contradizem com o seu próprio marketing de gestão. Tendo como slogan: “Brasil, pátria educadora!”, como a União decide cortar 30% da verba destinada às universidades federais este ano? Isso é um absurdo”, declarou.

A justificativa para o corte, segundo o governo da presidente Dilma, é que o orçamento de 2015 ainda se encontra em tramitação no Congresso e o Ministério da Educação não terá como planejar em tempo hábil o organograma financeiro das unidades de ensino superior. “Sabemos que o orçamento de 2015 da União enfrenta uma série de emendas por divergir das propostas de campanha de nossa presidente e está sendo questionado por diversos parlamentares, inclusive aqueles que pertencem à base do governo”, completou o vereador.

Setores atingidos

Com o corte do MEC, os segmentos mais prejudicados com a redução do orçamento nas universidades serão os pagamentos para bolsas de pesquisa (Mestrado e Doutorado), recursos para trabalhadores terceirizados e permanência estudantil, (moradia, restaurantes universitários).

A vereadora ressaltou que os trabalhadores da educação que atuam na área há mais de dez anos veem essa medida como um grande retrocesso por comprometer recursos que poderiam ser aplicados em inovação e na melhoria das condições de trabalho dos professores de Ensino Superior.

“Recentemente, foi denunciado o atraso no pagamento de mais de 493 mil educadores com bolsas de projetos federais, como o Pacto para o fortalecimento do Ensino Médio e o Pacto Nacional para Alfabetização na Idade Certa (Pnaic). Esse corte só piora essa situação”, afirmou.

Jacqueline finalizou convidando a reitora da Ufam, Márcia Perales, a usar o plenário da Câmara de Manaus para expor os principais desafios da instituição, neste ano. “Acredito que o Poder Público Municipal deve e precisa ajudar a Universidade Federal a passar por essas dificuldades sem prejudicar seus professores e os acadêmicos”, concluiu.

-publicidade-