As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Começa planejamento para a reabertura dos centros de convivência para o período pós-pandemia em Manaus

A secretária de Estado de Assistência Social, Maricilia Teixeira da Costa, iniciou, nesta terça-feira (19), o planejamento para a retomada das atividades nos Centros Estaduais de Convivência da Família (CECFs) e no Centro Estadual de Convivência do Idoso (Ceci). O planejamento do período pós-pandemia é uma determinação do governador Wilson Lima (PSC) aos secretários e dirigentes da administração direta e indireta.

A Seas administra seis CECFs (Cidade Nova, Santo Antônio, Mutirão, Japiim, Raiz e Alvorada) e um Ceci (Aparecida), todos sob a coordenação do Departamento de Proteção Social Básica (DPSB). Devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, esses locais estão com atividades suspensas temporariamente. Na reunião, a secretária Maricilia recebeu todas as diretoras desses centros, ouviu as demandas e adiantou algumas medidas que serão tomadas.

“Essa primeira reunião foi para ouvir as diretoras, que nos relataram a necessidade de pequenas reformas, manutenção de piscinas e aquisição de equipamentos. Coloquei a nossa equipe à disposição das diretoras para juntas somarmos forças e recolocarmos os centros de convivência novamente a serviço da população no período pós-pandemia”, disse a secretária da Seas.

Parcerias – Segundo a secretária Maricilia, uma das metas estabelecidas na retomada das atividades dos centros de convivência será o fortalecimento das parcerias com as pastas governamentais que atuam nos espaços. Para isso, a Seas está agendando uma reunião com a Fundação Amazonas de Alto Rendimento, que cuida das atividades esportivas desenvolvidas nos centros. Está prevista também a ampliação das parcerias com a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e com o Centro e Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam).

Os CECFs e o Ceci são espaços que estimulam o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários com oferta de serviços que promovem o protagonismo de pessoas em situação de vulnerabilidade.

Foto: Miguel Almeida/Seas