As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Coronavírus: China registra 242 mortes e 14,8 mil casos em 1 dia

Hubei, província epicentro do coronavírus na China, confirmou 242 novas mortes nesta quarta-feira (12). A região registrou 14.840 casos no último dia, sendo que 13.332 foram diagnosticados de forma clínica. Ao todo, apenas na província, são 48.206 casos do Covid-19.

As autoridades de saúde chinesas mudaram os critérios de diagnóstico da doença, passando a aceitar relatórios clínicos dos sintomas, não apenas os testes em laboratório. Com isso, o número de casos confirmados deu um salto. Normalmente, estavam sendo confirmadas de 2 mil a 3 mil novas infecções por dia.

Dados de Hubei:
33.693 pacientes em hospitais
9.028 casos suspeitos
77.308 pessoas estão sob observação
Dados da China (até as 7h35 desta quinta-feira, 13):
1.368 mortes na China (incluindo uma em Hong Kong)
1 morte nas Filipinas
59.882 casos confirmados na China
445 casos confirmados em outros 24 países
5.911 pacientes com alta
Mais cedo, a cidade de Londres confirmou seu primeiro caso da doença. Este é o nono caso de infecção na Inglaterra. O paciente teria contraído o vírus na China antes de chegar ao país. Já os Estados Unidos confirmaram o segundo caso local da doença.

Reunião da OMS
Nos últimos dois dias, mais de 300 especialistas em saúde se reuniram na sede da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Genebra, para avaliar o risco de disseminação do Covid-19.

“Esta reunião nos permitiu identificar as prioridades para a pesquisa [do Covid-19]. Como grupo de financiadores, continuaremos a mobilizar, coordenar e alinhar nosso financiamento para permitir a pesquisa necessária para enfrentar esta crise e interromper o surto, em parceria com a OMS”, disse o professor Yazdan Yazdanpanah, presidente do GloPID-R, grupo de “Colaboração em Pesquisa Global para a Prevenção de Doenças Infecciosas”.

A OMS disse que o mundo enfrenta uma escassez de trajes, máscaras, luvas e outras formas de proteção para se prevenir contra o surto do novo coronavírus e assegurou que a organização enviará equipamentos para nações mais vulneráveis.

“Vamos identificar os gargalos, encontrar soluções e garantir equilíbrio na distribuição de equipamentos”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A agência de saúde da ONU pediu que os equipamentos sejam adquiridos apenas quando necessário e que profissionais da saúde de áreas de risco tenham o acesso garantido aos materiais.

“Profissionais da saúde devem ter prioridade para receber estes materiais. Em segundo lugar estão os doentes e seus cuidadores”, disse Ghebreyesus. “A OMS não encoraja que estas formas de proteção sejam adquiridas e estocadas em países onde os riscos de transmissão são baixos.”

Por G1