Covid-19 – Madrugada de fluxo intenso nos três postos de vacinação em Manaus

O início da noite de sábado, 12/6, e a madrugada deste domingo, 13, foram de fluxo intenso nos três pontos preparados para funcionar por 32 horas, sem intervalo, durante a intensificação da vacinação contra a Covid-19, para o público de 40 a 51 anos, promovida neste fim de semana pela Prefeitura de Manaus e o governo do Amazonas.

Por volta das 20h as filas de carros para acesso ao Centro de Convenções de Manaus, o “sambódromo”, à Arena da Amazônia e ao Centro de Convenções Vasco Vasques, já eram quilométricas nas avenidas Constantino Nery, Pedro Teixeira, zona Centro-Oeste, e nas laterais de acesso aos três locais, dois deles com atendimento em sistema drive-thru e os três com pontos fixos para atendimento de pedestres, que também chegavam em carros particulares e em vans.

Aproximadamente 3,8 mil pessoas foram vacinadas no período noturno e 3,4 mil entre a 0h e às 7h deste domingo. As equipes de atendimento das secretarias municipal e estadual de Saúde (Semsa e SES-AM), respectivamente, tiveram que ser reforçadas no início da madrugada, para dar agilidade na orientação, triagem e registro da vacinação. Até o início desta manhã, 64,1 mil usuários haviam sido vacinados em um dos postos montados para a ação do fim de semana.

“Um espetáculo cheio de emoção em pleno Dia dos Namorados, com muito movimento, mas sem transtornos”, avalia a secretária municipal de Saúde, Shádia Fraxe, que permaneceu na Arena da Amazônia até as 3h deste domingo.

A vacinação segue até as 17h deste domingo, atendendo as pessoas de 40 a 44 anos. Também serão atendidos os de 45 a 51, que não conseguiram ir a um dos locais para receber a vacina no sábado.

A secretária reforça a importância do cadastro no Imuniza Manaus (https://imuniza.manaus.am.gov.br) e da apresentação dos documentos obrigatórios: identidade original, com foto; CPF; e comprovante de residência (original e cópia). “Os documentos são indispensáveis, mas quem não conseguir fazer o cadastro será atendido mesmo assim”, informa.

Texto – Andréa Arruda / Semsa
Foto – João Viana / Semcom