Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

-publicidade-

CPI da Pandemia – Senadores iniciam trabalhos com homenagem a vítimas da Covid-19

O presidente da comissão, Omar Aziz, destacou a perda do ator Paulo Gustavo, de importantes artistas amazonenses, como o cantor Zezinho Corrêa, e as mais de 410 mil vítimas do novo coronavírus no País, ao pedir um minuto de silêncio

Em abertura dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPI da Pandemia), desta quarta-feira, 05/05, senadores fizeram um minuto de silêncio em homenagem ao ator Paulo Gustavo e às mais de 410 mil vítimas da Covid-19. O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), também destacou a perda de importantes artistas amazonenses e as famílias enlutadas em todo o país.

“O ator Paulo Gustavo fez milhões de brasileiros sorrirem com os filmes e com as suas atuações. No meu Estado do Amazonas, não foi diferente. Perdemos grandes artistas e um ícone nacional e internacional, o Zezinho do Carrapicho, que cantou para o mundo todo o “tic tic tac”. Assim como ele, grandes artistas amazonenses, infelizmente, também se perderam para a Covid”, declarou e em seguida pediu um minuto de silêncio.

Demais membros da CPI também falaram em homenagem ao ator e as mais de 410 mil vítimas do novo coronavírus. Entre eles, o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-PE). De acordo com ele, as perdas diárias para a Covid-19 devem inspirar os trabalhos da comissão, a fim de que as vítimas e familiares se sintam honrados.

“(Minha homenagem) em especial a todas as famílias enlutadas e a Paulo Gustavo, ao que ele representava para a cultura brasileira. A cultura é o espelho e a mensagem do povo”.

Os senadores Humberto Costa (PT-PE) e Renan Calheiros (MDB-AL) também falaram sobre o falecimento do artista. “Essa morte (do ator) dá uma dimensão simbólica do que estamos vivendo. Perdemos artistas, profissionais da saúde, perdemos inclusive parlamentares”, destacou o senador Humberto, ao solicitar homenagem às mais de 410 mil vítimas do novo coronavírus, no Brasil.

-publicidade-