Delegacia do Idoso reforça ações educativas para prevenir violência contra terceira idade

Prevenir a violência contra a terceira idade com ações educativas tem sido uma das apostas da Delegacia Especializada em Crimes Contra Idosos (DECCI). Além da sensibilização com adultos, crianças e adolescentes estão no foco de atuação. O objetivo é engajá-los nos cuidados e na prevenção da violência. A especializada da Polícia Civil integra a Rede de Proteção responsável por implementar medidas de fortalecimento e acesso a direitos pela pessoa idosa.

Segundo a titular da DECCI, Ivone Azevedo, para alcançar os municípios do interior, a unidade tem participado de parcerias com outros órgãos do Estado, como a Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Delegados da Polícia Civil dos municípios participaram de uma capacitação sobre os direitos da terceira idade através de videoconferências realizadas pelo Centro de Mídias. São ações que fazem parte do projeto “Educar para Envelhecer”, coordenado pela Seduc com o Conselho Estadual do Idoso e que vai realizar palestras em unidades de ensino. “Participamos das videoconferências com os municípios para a troca de informações e alinhamento entre as delegacias do interior com a nossa especializada. Tratando sobre o projeto nas escolas, de crimes contra idosos, do Estatuto do Idoso, e dos canais para denúncia”, disse.

O Conselho Estadual do Idoso e a Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI) são alguns dos principais parceiros da Delegacia do Idoso.

Conforme Ivone Azevedo, nos municípios do interior os delegados estão aptos para o atendimento e as diligências envolvendo crimes contra idosos. Mas é preciso fortalecer o trabalho de sensibilização para que as vítimas, amigos, parentes ou vizinhos que tenham conhecimento de casos de violência contra os idosos façam os casos chegarem às autoridades. “Muitos idosos não foram preparados para o envelhecimento e têm dificuldade de reconhecer seus direitos. Queremos disseminar cada vez mais as informações para quebrar o ciclo de violência. Por isso, a implementação do projeto nas escolas é importante, serve de alerta para situações do dia a dia e também prepara os jovens, que são os idosos do amanhã”, disse a delegada.

Com o fortalecimento das ações de sensibilização, o caminho natural é o crescimento das denúncias e do registro dos casos. De acordo com indicadores da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), até agosto foram registrados 7.325 casos de violência contra idosos. Na comparação com mesmo período do ano passado, quando foram registrados 8.309 casos, houve uma redução de 12%.

A DECCI tem o apoio do Centro Integrado de Defesa da Pessoa Idosa (CIPDI), que faz parte da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) e realiza visitas para que seja determinado se deve haver uma ação emergencial da polícia ou apenas um acompanhamento psicossocial do idoso e de familiares. Denúncias de violação de direitos da pessoa idosa podem ser feitas anonimamente pelo Disque Denúncia da SSP, 181, ou o Disque Direitos Humanos 100, e o telefone da Fundação Doutor Thomas, 165.

FOTO: DIVULGAÇÂO/SSP-AM