Take a fresh look at your lifestyle.

Deputado José Ricardo pede liberação emergencial dos recursos enfrentamento do Coronavírus

-publicidade-

Com o objetivo de contribuir para enfrentamento à Pandemia de Coronavírus, o deputado federal José Ricardo (PT/AM) enviou nesta segunda-feira (17) requerimento ao Ministério da Saúde cobrando providências legislativas necessárias para a revogação da Emenda Constitucional nº 95/2016, que reduziu os investimentos da saúde, bem como a prioridade na liberação de todas as emendas parlamentares que destinam recursos financeiros para a saúde. O parlamentar justifica que essas medidas ajudarão Prefeituras e Governos de Estados, pois seriam quase R$ 4 bilhões a mais para o Brasil. Só para o Amazonas seriam mais de R$60 milhões para Saúde do Estado. Ele deverá fazer a mesma solicitação à Mesa Diretora da Câmara Federal.

De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, já são 234 casos, e hoje a primeira morte foi confirmada, no estado de São Paulo. Em Manaus, duas pessoas foram confirmadas com a doença, além de várias suspeitas “Se não houver medidas drásticas de proteção no Brasil, o número de casos irá aumentar. Muitos estados brasileiros já decretaram estado de emergência, inclusive, no Amazonas e em Manaus”, destaca José Ricardo que, na Câmara dos Deputados, já vem cobrando a derrubada da Emenda 95, que impede investimentos em saúde, colocando o país em risco.

No início do ano, alertando sobre uma possível epidemia, José Ricardo, enviou requerimento ao Ministério da Saúde e cobrou ações necessárias para intensificar as ações de vigilância, controle e fiscalização em voos internacionais, como também informações a respeitos de quais providências estavam sendo adotadas na época para evitar a proliferação desse vírus no Brasil.

José Ricardo também demonstra preocupação com as pessoas desempregados e que atuam na informalidade. “Com a paralisação de muitas atividades muitas pessoas não vão ter como se alimentar. Diferente de quem é funcionário e tem seu salário garantido. Sei que todos podem ser atingido pela doença, mas sem dinheiro para o básico tudo piora. Há apreensão de todos os lados e, até o momento, o Governo Federal tem mostrado poucas ações e interesse no assunto”, ressaltou.

-publicidade-