O deputado Luiz Castro (Rede) voltou a denunciar nesta quarta-feira (21) as empresas contratadas pelo Governo do Estado para prestar serviços aos hospitais de Manaus e que atrasam o pagamento de salários por até quatro meses, colocando os servidores em situação humilhante e tornando ainda mais caótico o atendimento à população amazonense.

Da tribuna da Assembleia Legislativa, Luiz Castro sugeriu que o Governo se responsabilize pelo pagamento dos salários dos servidores terceirizados e desconte o valor na fatura dos empresários, já que eles recebem os repasses e não efetuam o pagamento dos funcionários que atuam nas unidades de saúde.

Em visita de inspeção realizada ao Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, Luiz Castro recebeu reclamações de servidores que não recebem salários há quatro e até cinco meses. O deputado citou como exemplo a empresa Podium, que recebeu os repasses do Governo e sequer pagou o 13º salário dos trabalhadores.

“São pais de família vivendo em condições desumanas, sem dinheiro para pagar uma condução, se alimentando mal, endividados e sem motivação para trabalhar. Isso afeta diretamente o desempenho no atendimento à população, de forma negativa”, advertiu o deputado.

Os servidores, segundo Luiz Castro, entraram com denúncia na Justiça do Trabalho, mas nesse caso, de acordo com o deputado, o processo caminha lentamente. “Esta Casa tem que se posicionar sobre essa injustiça contra os servidores, e dialogar com a Justiça do Trabalho para obrigar as empresas a cumprirem os seus compromissos”, conclamou.

Durante a visita ao Hospital João Lúcio, o deputado constatou as péssimas condições de trabalho e do atendimento aos pacientes que esperam há três messes por procedimento médicos. Além disso, Castro verificou a falta de alimentos, de medicamentos, de insumos e de higiene nos refeitórios.

O deputado disse que continuará fiscalizando as unidades estaduais de Saúde, para encaminhar um relatório apontando as condições precárias de trabalho e de atendimento à população.

Acordo com terceirizadas

No final de 2017, o Governo do Estado contratou mais 77 empresas para prestar serviços diversos para a Secretaria Estadual de Saúde (Susam). As empresas assinaram ata concordando com o cronograma de pagamentos proposto pelo Estado, relacionado às dívidas que foram herdadas de administrações anteriores.

Segundo o secretário Francisco Deodato, o pagamento de empresas de área meio representou um total de R$ 37 milhões por mês, no orçamento da Susam.

O acordo fechado estabeleceu um calendário regular de pagamento dos passivos, a partir de dezembro, para que as empresas pudessem honrar os seus compromissos, priorizando os salários dos seus funcionários.

As empresas médicas que prestam serviços à rede pública também assinaram acordo proposto pelo Governo do Amazonas, para o parcelamento das dívidas herdadas de administrações passadas.

Texto: Assessoria do Deputado