Take a fresh look at your lifestyle.

ECONOMIA: Taxa de desemprego atinge 9%, diz Pnad

-publicidade-

A taxa de desemprego no Brasil registrou, no trimestre encerrado em novembro do ano passado, o maior número de desempregados da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, a Pnad, iniciada no primeiro trimestre de 2012 pelo IBGE. De acordo com a pesquisa, em novembro, mais de nove milhões de pessoas estavam sem emprego no país. Os números representam um crescimento na taxa de desocupação de mais de três e meio por cento em relação ao mês de agosto de 2015 e de mais de 41 por cento em relação a novembro de 2014. Para Fernando de Aquino Fonseca Neto, conselheiro do Conselho Federal de Economia, Cofecon, o aumento nos índices de desemprego podem ser explicados pela atual crise na economia. De acordo com o economista, a economia não está crescendo e, portanto, não consegue criar empregos para absorver a entrada de novos profissionais no mercado de trabalho. “Ultimamente, não tem gerado empregos necessários para absorver as pessoas que vão entrando no mercado de trabalho. Então, a gente acumulou um crescente número de pessoas que têm procurado emprego e não tem conseguido se empregar. Então, isso aumenta o número de desempregados, que são os que estão procurando emprego e aumenta a taxa de desemprego. A economia não está conseguindo crescer para gerar empregos para esses novos ingressantes no mercado de trabalho. Agora, sim, existem pessoas perdendo o emprego com carteira assinada e que terminam se colocando no setor informal.”

Os dados divulgados pela pesquisa indicam uma queda no total de pessoas empregadas de 0,6 por cento no trimestre até novembro de 2015, em relação à quantidade registrada no mesmo período de 2014. No total, 533 mil postos de trabalhos foram extintos. Os dados da Pnad também apontam estabilidade na renda média do trabalhador. O ponto positivo foi à queda de inatividade. Ao todo, durante o período, mais de 200 mil pessoas que estavam fora da força de trabalho voltaram a pressionar o mercado.

Reportagem, João Paulo Machado

-publicidade-