Em Seminário, Susam apresenta resultados do projeto Apice On no Estado

A Gestão Amazonino Mendes, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), apresentou, nesta terça-feira (6/11), durante o 2º Seminário local do projeto Apice On, do Ministério da Saúde, os resultados alcançados no Estado. Mais de 480 profissionais de maternidades já foram capacitados pelo projeto. O Seminário acontece de 6/11 a 7/11, no auditório Nina Lins, na Universidade Nilton Lins, zona centro-sul de Manaus.

Lançado em agosto de 2017, o Apice On tem como objetivo aprimorar o modelo de atenção ao parto, nascimento e abortamento nas maternidades e hospitais de ensino, por meio de oficinas e capacitações de profissionais e estudantes. Melhorando a prática e a formação dos profissionais, o Ministério da Saúde espera reduzir a mortalidade materno-infantil no país.

Em sua apresentação, a coordenadora estadual das Redes de Atenção à Saúde no Amazonas, da Susam, Luena Xerez, destacou a capacitação dos profissionais médicos e enfermeiros da rede de maternidades da capital e interior. Segundo ela, a capacitação está entre as ações previstas no Plano Estadual de Redução da Mortalidade Materna, que vem sendo implantado pela Susam.

Treinamentos – Desde que o plano foi implantado, mais de 480 profissionais do Estado já receberam treinamentos, envolvendo temas como Hemorragia, Simulação Realística, Suporte Básico de Vida e Suporte Avançado de Vida, Sensibilização no Método Canguru, Manejo em Aleitamento Materno e Registro Qualificado de Declaração de Óbito. Os treinamentos foram realizados em Manaus, nas unidades de saúde.

Luena ressaltou a importância do Apice On enxergar a necessidade de formação dos futuros profissionais nesse processo de enfrentamento da mortalidade materno-infantil, trazendo as instituições de ensino para discutirem as políticas voltadas para esta área.

“Se a gente quer mudar o modelo de atenção, a gente tem que tentar se aproximar das instituições de ensino do Amazonas. E da mesma forma melhorar os nossos serviços para acolher os estudantes para que eles possam experimentar, na teoria e na prática, um novo modele de atenção à saúde, que tem como finalidade, melhorar os nossos resultados de morte materna e de morte neonatal”, comentou Luena.

Avaliação positiva – A supervisora regional Norte do projeto, do Ministério da Saúde, Christina Barra, elogiou as ações do estado, avaliando que o objetivo do Apice On foi compreendido tanto pelos serviços de saúde quanto pelas instituições de ensino.

“É muito importante a gente perceber esse movimento no qual as próprias pessoas entendem a necessidade e fazem esforços e movimentos para buscar esse aprimoramento, não só da assistência, mas principalmente da formação e do ensino dos novos profissionais da saúde”, destacou Christina.

Participam do projeto Apice On no Estado as maternidades Ana Braga, Balbina Mestrinho, Instituto da Mulher Dona Lindu e Moura Tapajós (municipal). Cada unidade tem um grupo de trabalho e dentro de cada grupo as universidades que possuem cursos de medicina, como Nilton Lins, Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Universidade Federal do Amazonas (Ufam) têm direito a representação.

Melhor formação profissional – Para o coordenador do curso de medicina da Nilton Lins, André Campana, quanto maior o contato dos estudantes com os assuntos que farão parte do seu dia a dia profissional, melhor será sua formação. Por isso o compromisso a da instituição em colaborar com o projeto.

“Isso é muito importante para o aluno já ter essa vivência. Sai da sua formação com uma vivência prática. Sem dúvida isso faz a diferença. Temos que lembrar que o estudante de hoje é o profissional de amanhã. Então, está aí o nosso compromisso na formação desse profissional”, afirmou André.

FOTO: DIVULGAÇÃO/SUSAM