doar sangue
doar sangue
doar sangue
doar sangue

Órgão quer que homens que fizeram sexo com outros homens possam doar sangue apenas um ano após o atoA Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (23) que recomendará o fim da proibição de gays e homens bissexuais doarem sangue. A política, porém, que existe há 31 anos, seria substituída por uma nova proibição.

Grupos médicos e ativistas gays têm criticado a proibição original, afirmando que ela não faz mais sentido, visto que os avanços nos testes para identificação do vírus HIV evoluíram consideravelmente.

Agora, o órgão quer que homens que fizeram sexo com outros homens possam doar sangue apenas um ano após o ato. Esta nova norma será apresentada formalmente no começo de 2015 para que seja aberto um debate público e, em seguida receber uma decisão do governo norte-americano.

A proposta, porém, não agradou a todos. “Alguns acreditam que esse é um avanço, mas na verdade exigir celibato de um ano é uma proibição perpétua de facto”, afirmou o grupo Gay Men’s Health Crisis, que trabalha na prevenção e tratamento da Aids.

A mudança na proibição sobre os gays poderia contribuir para um aumento no banco de sangue de 2% a 4%, tornando mais duas milhões de pessoas elegíveis para a doação, segundo uma pesquisa da universidade de UCLA.

A Cruz Vermelha americana, porém, estimou que o risco de pegar Aids através de uma transfusão de sangue é de uma em 1,5 milhão.

Início da proibição
A norma foi criada nos primeiros anos da crise da Aids, pouco entendida na época, e visava proteger o estoque de sangue. Atualmente, países como Austrália, Japão e Reino Unido já mudaram a proibição para um ano sem sexo.

correio24horas.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here