As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

FCecon realiza mais de sete mil atendimentos odontológicos no 1º semestre de 2020

Todos os pacientes que vão iniciar tratamento de radioterapia contra câncer na região de cabeça e pescoço e/ou quimioterapia passam antes por uma avaliação odontológica, que é realizada pelos cirurgiões-dentistas que atuam no serviço de Odontologia da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

De janeiro a junho de 2020, os cinco profissionais que atuam no serviço realizaram 590 consultas e 7.159 procedimentos de alta e média complexidades – extrações, restaurações, laserterapia, aplicação de flúor, procedimentos cirúrgicos, entre outras. Os cirurgiões-dentistas trabalham de segunda a sexta-feira, prestando atendimento ambulatorial e, quando solicitado, atuam na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e enfermarias em beira-leito.

Uma das pacientes atendidas foi Maria Raimunda Pereira dos Santos, 52 anos, que iniciou o tratamento de um câncer de mama no mês de março deste ano. Como terá que realizar quimioterapia ao longo de seis meses, ela recebe todo o acompanhamento dos cirurgiões-dentistas que atuam no serviço de Odontologia.

“Quando cheguei à Fundação, fui muito bem acolhida por todos os médicos e, principalmente, pela dentista Perla. Tive um atendimento maravilhoso e agradeço a Deus por isso. Foi um susto o momento da descoberta do câncer, fiquei bastante abalada. Mas com os pensamentos positivos da minha família, amigos e de todos aqui, tenho conseguido superar o que estou passando”, destaca Maria Raimunda.

Início do tratamento – A gerente do serviço de Odontologia, Perla Assayag, explica que a odontologia tem ampla atuação no tratamento de câncer, que envolve desde a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de boca até o acompanhamento do paciente durante o tratamento radioterápico e quimioterápico, assim, prevenindo e tratando as complicações bucais decorrentes das terapias.

Cirurgiã-dentista, Perla Assayag diz que os pacientes só iniciam o tratamento após a declaração de apto dada por um dos cirurgiões-dentistas. “Analisamos a estrutura bucal – dentes, língua e gengivas-, quando preciso, realizamos as intervenções necessárias, por exemplo, restaurações e extrações. Também os orientamos sobre higienização, cuidados com os dentes e fazemos aplicações de flúor”, salienta.

Eliminação de focos – Devem ser eliminados os focos infecciosos da boca do paciente, pontua a cirurgiã-dentista da FCecon, Lia Mizobe Ono, pois são porta de entrada para outras doenças. “Extraímos os dentes ruins para se evitar o aparecimento, por exemplo, de osteorradionecrose nos ossos da maxila/mandíbula, que é uma infecção crônica, dolorosa que necrosa após a radioterapia”, informa.

Segundo Lia Mizobe, as orientações sobre higiene oral ajudam a evitar mucosites orais, que são lesões semelhantes a aftas que aparecem durante o tratamento oncológico. Ela explica que, quando não cuidadas, podem levar à internação do paciente devido à incapacidade de se alimentar.

No caso dos pacientes em quimioterapia por qualquer tipo de câncer, Lia Mizobe orienta que o ideal é que seja feita uma avaliação pré-quimioterapia. Ela alerta que qualquer infecção odontológica que ocorra durante o tratamento pode acarretar em uma infecção maior e, assim, causar prejuízo ao paciente devido ao status imunológico.

Fatores de risco – Cigarros e bebidas alcoólicas são considerados fatores de risco para o desenvolvimento de câncer de cabeça e pescoço. “Fumantes são mais propensos a desenvolver câncer de boca e orofaringe (garganta). Associado ao consumo de bebidas alcoólicas, o risco é ainda maior, por isso, esses pacientes devem se acostumar a examinar a boca durante a higiene oral e qualquer alteração, procurar um especialista”, orienta Perla Assayag.

Novos casos – Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), são estimados 15.190 novos casos de câncer de cabeça e pescoço para 2020, sendo 11.180 em homens e 4.010 em mulheres.

FOTO: Rhyvia Araújo/FCecon