Amazonas Notícias

Fiocruz Amazônia e UEA propõem monitoramento epidemiológico do feminicídio na Região Norte

Projeto que visa explorar potencialidades da vigilância da informação em saúde à equidade de gênero, para caracterização epidemiológica e espaço-temporal dos assassinatos de mulheres, realizará oficina com diversos atores no início de março

A notoriedade cada vez maior de feminicídios no Brasil e o restrito número de estudos com base em dados epidemiológicos sobre a questão da violência letal contra a mulher na Região Norte levaram pesquisadores e pesquisadoras do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA) e da Escola Superior de Ciências Sociais (ESO), ambas pertencentes à Universidade do Estado do Amazonas (UEA), a propor a realização do primeiro monitoramento epidemiológico e espaço-temporal dos feminicídios na Amazônia, tendo como referencial as potencialidades da vigilância da informação em saúde à equidade de gênero. No próximo mês de março, o Laboratório de Modelagem em Estatística, Geoprocessamento e Epidemiologia (LEGEPI), da Fiocruz Amazônia, em parceria com docentes da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e UEA, realizarão a 1a Oficina Ampliada AM/RO sobre Aplicações da Vigilância da Informação em Saúde à Avaliação do Feminicídio. O evento, que se inicia um dia após o Dia Internacional da Mulher, reunirá especialistas e pesquisadores, dias 9 e 10/03, no Laboratório de Tecnologia em Saúde e Educação, da ESA/UEA.

De acordo com o epidemiologista Jesem Orellana, chefe do LEGEPI e coordenador do Projeto “Proposta de monitoramento epidemiológico e espaço-temporal dos feminicídios: potencialidades da vigilância da informação em saúde à equidade de gênero”, a oficina tem como objetivo explorar as potencialidades da vigilância da informação em saúde à equidade de gênero, em particular na estimação da ocorrência, caracterização epidemiológica e espaço-temporal dos feminicídios. “Serão apresentados e discutidos detalhes de inédita e promissora metodologia, progressos e protocolos, bem como haverá espaço ao planejamento das próximas etapas do Projeto no Ano-1 e, sobretudo, no Ano-2, com enfoque em produtos esperados como a apresentação dos nossos resultados/estratégias, mediante trabalhos em eventos científico-tecnológicos, bem como na formação/qualificação de recursos humanos ou publicação de artigos metodológicos e originais, por exemplo”, explica.

De forma ampla, a oficina busca detalhar as diferentes iniciativas em curso no projeto, que é viabilizado pelo Programa Inova Fiocruz, por meio do edital Inovação Amazônia, com financiamento da Fiocruz, Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado do Amazonas (Fapeam) e Fundação de Amparo à Pesquisa de Rondônia (Fapero). Segundo Jesem, são componentes do projeto, a dimensão estatística, socioepidemiológica, de geografia da saúde, do Direito e da Tecnologia da Informação, assim como o entrelaçamento dessas expertises em uma iniciativa genuinamente interdisciplinar, típica da Saúde Coletiva. “Análises preliminares do projeto apontam para a possível invisibilidade dos feminicídios, sobretudo no campo da saúde, bem como a pouco explorada influência negativa da inserção direta das mulheres de Manaus com a criminalidade e o baixo número de mortes das mesmas em crimes caracterizados como latrocínio (roubo seguido de morte), por exemplo, sugerindo participação ativa cada vez maior dessas mulheres em atividades ilícitas”, afirma o epidemiologista.

A oficina contará com as presenças de docentes do curso de Enfermagem da Universidade de Rondônia (UNIR), entre os quais Nathalia Halax Orfão, Cristiano Lucas de Menezes Alves e Marcuce Antonio Miranda dos Santos, vice-lider do “Observatório de Violência, Suicídio e Políticas Públicas (OBSAT). Além dos convidados de Rondônia, o evento contará com a participação de Paula Dias Bevilacqua, do Instituto René Rachou/FIOCRUZ-Minas, Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero, onde coordena a linha de pesquisa da subárea Corpo, Saúde e Reprodução. Como palestrantes, participarão Edinilza Santos (ESA/UEA), Jesem Orellana (ILMD), Elielza Menezes (ESA/UEA), Márcia Medina (ESA/UEA), Gabriel Leão (Bolsista ILMD), André Moraes (Colaborador do Projeto no ILMD), Stephanie Dias (Bolsista ILMD) e Carlos Rafael (Bolsista ILMD).

TEMAS

Os temas a serem abordados durante os dois dias são: “Projeto: objeto, métodos, progressos, protocolos (codebook, banco de dados e trabalho interdisciplinar”, “Coleta de dados: sociodemográficos, geográficos, epidemiológicos e relato de casos”, “Captura de dados oficiais de mortalidade (FVS-RCP): finalidade e desafios”, “Controle de qualidade no banco de dados e Linkage: finalidade e potencialidades”, “Classificação jurídica de mortes em prováveis feminicídios ou não: estratégia e aspectos operacionais”, “Monitoramento digital de notícias sobre mortes de mulheres por agressão: etapas do desenvolvimento de um robô de busca e sua contribuição à captura de dados sobre mortes por agressão de mulheres”, “Resultados esperados: manuscritos, divulgação em eventos, observatório”, finalizando com propostas e avaliação da viabilidade de extensão do projeto à realidade de Porto Velho (RO) e Belo Horizonte (MG).

Relacioandos