© Sergio Moraes / Reuters

Filho mais velho do presidente da República, Jair Bolsonaro, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) voltou a afirmar que é vítima de perseguição em relação às investigações envolvendo seu nome e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, que aparece com movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em relatório do Coaf. “É preciso esperar o Supremo se pronunciar. Está todo mundo vendo que eu sou vítima de perseguição”, disse.

Ao ser questionado sobre quando iria ao Ministério Público prestar esclarecimentos, ele não respondeu. “Já falei o que eu tinha de falar, não tenho novidade nenhuma”, acrescentou.

Ele esteve na manhã desta quarta-feira, 30, na Câmara dos Deputados para fazer o registro biométrico para o Senado. Ele toma posse como senador na sexta-feira, 1º de fevereiro.

Flávio negou que as investigações envolvendo seu nome atrapalhem a governabilidade do pai e a relação do Executivo com o Legislativo. “Não tem nada a ver com o governo. Por mais que vocês queiram, não tem nada a ver com o governo. Estamos muito bem, obrigado. Estamos todos trabalhando bem, com liberdade”, disse, ao responder uma pergunta, se o governo de Bolsonaro já começava com desgaste.

Sobre as eleições para a presidência do Senado, ele afirmou que isso só “deve se resolver no último dia”, mas disse que acredita que todos os candidatos na disputa estão alinhados com o governo, com a aprovação das reformas prioritárias.

Em relação à cirurgia de Bolsonaro, ele disse que o pai está bem disposto e se recuperando. “Meu pai está bem se recuperando, o médico está dando informações em tempo real para vocês”, afirmou. Com informações do Estadão Conteúdo. Com informações do Minuto ao Minuto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here