Take a fresh look at your lifestyle.

General Miotto apresenta ações do CMA em reunião na FIEAM

-publicidade-

A principal ameaça da Amazônia é o vazio de poder. A afirmação foi feita ontem pelo comandante do Comando Militar da Amazônia (CMA), general Antônio Miotto, em reunião na Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM). “Muitos falam de ameaças externas, mas o que nos falta é uma representação do Poder Nacional nesta região. O Exército já está fazendo sua parte”, declarou.
Atualmente, o CMA conta com 21 mil homens para defender as áreas territoriais do Acre, Amazonas, Roraima e Rondônia, que juntas fazem fronteira com cinco países com faixa terrestre de 17 mil quilômetros de fronteira com a Guiana Francesa, Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia. Há 24 pelotões que estão nas linhas de fronteiras com 1.455 militares.
O comandante apresentou o resultado da MK Pesquisa, realizada em janeiro, que aponta em 80% o índice de confiança no Exército Brasileiro. De acordo com Miotto, os números são resultados do sério compromisso da corporação em manter valores básicos como hierarquia e disciplina, valores éticos e morais, história e tradição. “Temos credibilidade por causa do exemplo, da lealdade, da disciplina, camaradagem, dedicação e honestidade que matemos”.
Segundo o general, os constantes treinamentos e exercícios de defesa da pátria são estratégias para preparar os militares e também de mostrar o poder do Exército. “Temos que mostrar nosso poder de deslocar tropas, poder de comando e controle, poder das armas e isso tudo o que é chamado de diplomacia das armas e que o Exército Brasileiro possui”.
O posicionamento estratégico nesses pelotões é a atuação do Exército em duas frentes: “Braço Forte”, com presença, dissuasão e prontidão militar; e “Mão Amiga”, com ações voltadas ao cuidado da vida, saúde e educação.
Os grandes problemas da Amazônia são as ameaças externas e a ausência do Estado, todas as instituições, questões indígenas, ambientais e fundiárias, internacionalização de ONGs e ilícitos transnacionais.
“O Exercito é uma instituição permanente do Estado Nacional Brasileiro e tem como missão defender a pátria, garantir os deveres constitucionais, a lei, a ordem, bem como apoiar a política externa do país e estar pronto para assumir qualquer missão”, declarou o general.
O CMA atendeu ao convite do presidente da FIEAM, Antonio Silva. “A participação do Exército em nossas reuniões faz parte do calendário da FIEAM, pois reconhecemos a importância desta organização para o Brasil e para todo o povo brasileiro. São homens patriotas que asseguram a defesa do território nacional e contribuem para o desenvolvimento da cidadania atuando em diversas atividades sociais nas comunidades onde cumprem sua missão”, disse Antonio Silva.

-publicidade-