Governo do Amazonas recebe representantes de trabalhadores da área da saúde e garante pagamento às terceirizadas

Representantes de trabalhadores terceirizados da saúde, com salários atrasados por parte das empresas que prestam serviços em unidades do Estado, foram recebidos nesta sexta-feira (9/11) pelo chefe da Casa Civil do Governo do Amazonas, Arthur Lins, na sede do governo.

Na reunião, foi solicitado que os representantes dos trabalhadores – enfermeiros e técnicos de enfermagem – encaminhem a relação de pendências salariais à Casa Civil. Segundo Arthur Lins, o Governo do Amazonas irá representar contra as empresas nas esferas competentes, para que cumpram as obrigações trabalhistas.

O governo informa que vem mantendo o compromisso de pagamento com as empresas, o que inclui também pendências do governo passado encontradas pela atual gestão. Ao assumir, ano passado, a gestão Amazonino Mendes negociou o pagamento de dívidas que os governos anteriores deixaram.

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que mantem o cronograma normal de pagamentos, com vários sendo empenhados no momento e com previsão de pagamento na próxima semana, inclusive os das empresas de enfermagem. Segundo o secretário de Saúde, Francisco Deodato, cada empresa está sendo chamada, individualmente, na Susam, para análise dos contratos e dos pagamentos pendentes.

Tentativa de criar pânico – A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Santas Casas, Entidades Filantrópicas e Religiosas e Estabelecimentos de Saúde Estado do Amazonas (Sindpriv-AM), Graciete Mousinho, afirmou na reunião que a preocupação dos trabalhadores decorre de mensagens postadas em grupos de WhatsApp, afirmando que o governo não vai pagar as terceirizadas, com o objetivo de criar pânico entre os trabalhadores e prejudicar os serviços. “Foi uma reunião satisfatória. Saímos felizes, porque sabemos que o governo vai cumprir com os pagamentos”, frisou.

Mais informações: Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Saúde (Susam): Roseane Mota e Lúcio Pinheiro