Take a fresh look at your lifestyle.

Guarda municipal de Eirunepé é preso após tentativa de vingança pela morte do filho

-publicidade-

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Eirunepé, município distante 1.160 quilômetros em linha reta de Manaus, prendeu nesta quinta-feira, 26, o guarda municipal José Francisco da Silva, 43. Na última terça-feira, 23, o homem liderou uma invasão à residência de Antônio Francisco da Costa ,18, apontado como autor do homicídio de um adolescente de 16 anos, filho de José.

“José e mais nove pessoas invadiram a casa de Antônio, por volta de 23h30. No momento, estavam os pais e os seis irmãos do jovem. O guarda municipal portava um rifle, arma de fogo de uso restrito, e os companheiros estavam com facas”, explicou Jony Cledson Barbosa, delegado titular da unidade.

Ainda segundo a autoridade policial, a invasão foi motivada pelo desfecho do caso envolvendo o filho de José, assassinado no dia 29 de outubro de 2014. Na época, Antônio foi apontado como autor do crime e chegou a ser preso. O rapaz ficou seis meses na cadeia e, mediante decisão judicial, passou a responder em liberdade provisória.

“O filho de José morreu após levar uma facada no tórax, durante um desentendimento com Antônio. Os dois eram amigos e estavam consumindo bebida alcoólica no dia do crime. Quando o pai da vítima soube que o suposto assassino do filho dele estava fora da cadeia, o homem se revoltou e resolveu invadir a residência de Antônio”, explicou Jony.

Após a invasão, o guarda municipal e as outras pessoas fugiram para a região do Seringal Eiru, zona rural do município. O delegado disse que na noite da última quarta-feira, 25, Francisco retornou à Eirunepé e, na manhã de hoje, ele compareceu à delegacia para prestar esclarecimentos.

Após os procedimentos cabíveis, José Francisco da Silva será autuado pelo crime de violação de domicílio (Artigo 150 do Código Penal Brasileiro), ameaça (Artigo 147), porte ilegal de arma de fogo de uso restrito (Artigo 16 do Estatuto do Desarmamento) e associação criminosa (Artigo 288 do CPB). O homem seguirá preso na unidade policial do município, onde ficará à disposição da Justiça.

O delegado informou ainda que dará continuidade às investigações para identificar as outras pessoas que participaram da invasão.

-publicidade-