GuardiAM 24h e o Instituo de Criminalística dão continuidade às ações de combate a criminalidade no Estado

O Departamento de Polícia Técnico Científica (DPTC) é um dos órgãos que compõem o eixo de Segurança Pública do GuardiAM 24h, Programa de Governo comandado pelo secretário de Estado extraordinário, coronel da Polícia Militar do Amazonas Walter Cruz e que cumpre a atribuição de reduzir os índices de criminalidade no Estado do Amazonas. Constituído pelo Instituto de Identificação (II), Instituto Médico Legal (IML) e pelo Instituto de Criminalística (IC), o DPTC realiza ações voltadas para a produção de provas que contribuem para resolução de crimes, o que impede que eles fiquem impunes, sem solução.

O Instituto de Criminalística (IC), situado na avenida Noel Nutels, Cidade Nova 2, zona norte de Manaus, conta com os Laboratórios de Biologia e Genética Forense, onde ocorrem as análises de materiais genéticos para a formulação de laudos, bem como a obtenção do perfil genético a partir de vestígios deixados no local dos crimes, o que auxilia na identificação de criminosos e dá celeridade aos julgamentos. Além do Laboratório de Genética Forense, o Instituto de Criminalística integra os setores de análises de instrumentos, laboratório de áudio e vídeo, balística forense, documentoscopia forense, informática forense e laboratório de toxicologia.

A gerente do laboratório, doutora Daniela Koshikene, afirma que após a ocorrência de homicídios e crimes sexuais, ou fatalidades como o acidente onde um táxi colidiu com um ônibus na rodovia AM-010 (Manaus – Itacoatiara) e deixou 5 vítimas carbonizadas em 29 de setembro, o processo de identificação dos corpos inclui uma bateria de análises até chegar ao laudo. “Após a coleta do material biológico, realizamos a extração do DNA que segue para a amplificação por PCR (reação em cadeia da polimerase) desse material genético utilizando marcadores moleculares para identificação humana. Em seguida, na fase de eletroforese capilar, depositamos o material no equipamento analisador genético onde a composição dos indicadores biológicos é mostrada e nos possibilita a obtenção do perfil genético. No caso das vítimas carbonizadas, estamos na fase de amplificação do material biológico para que cada vítima seja identificada e as famílias respondidas”, explica Koshikene.

A perita criminal Daniela Koshikene explica ainda que a apuração do perfil genético é útil tanto para a identificação de corpos e pessoas desaparecidas quanto para a identificação criminal em casos de crimes contra a vida, contra o patrimônio e contra a dignidade sexual, pois os perfis provenientes de vestígios são comparados aos que estão armazenados no Banco de Perfis Genéticos do Estado do Amazonas, e caso haja coincidência nos resultados, há identificação de autores ou crimes seriais. Koshikene também salienta que o Programa GuardiAM 24h vai integrar os órgãos de Segurança Pública e fará com que as ações de combate à criminalidade sejam otimizadas. “O GuardiAM 24h está valorizando o DPTC de uma forma excelente e isso reflete no trabalho da perícia positivamente, pois nosso objetivo é gerar prova pericial esclarecendo a verdade sobre um crime, identificando autores e assim promovendo mais veracidade nos resultados dos laudos criminais”, conclui Koshikene.