Apoiar mão na mandíbula, mascar chiclete e morder tampa de caneta podem desenvolver disfunção temporomandibular

Segundo a Associação Brasileira de Odontologia, aproximadamente 40% das pessoas sofrem com disfunções temporomandibulares (DTM), importantes fatores no desenvolvimento dos distúrbios são causados por hábitos parafuncionais, ou seja, manias do dia-a-dia, como apoiar a mão na mandíbula, colocar objetos como lápis e caneta na boca, mascar chiclete, roer as unhas, remover cutículas com os dentes, chupar o dedo e apoiar a mão sobre o queixo enquanto dorme, podendo causar microtraumatismos articulares.

Esses vícios podem causar pressões inadequadas na articulação e resultar em possíveis disfunções, porém, o distúrbio também pode se desenvolver por atos involuntários ou fatores emocionais. “O distúrbio pode ocorrer por estresse, ansiedade, ou até mesmo pode ser considerado como um ato involuntário, e é mais incidente durante o período de sono. Por esse motivo, há uma dificuldade do próprio paciente notar o transtorno. Traumas e fatores genéticos também podem fazer que a DTM se desenvolva”, alerta a fisioterapeuta Fabiana Oliveira, especialista em dor orofacial e ATM.

A DTM pode gerar sintomas como dores locais e crônicas, sensibilidades na região orofacial, cansaço no rosto, inchaço, tensões, dificuldades ao abrir a boca e zumbidos nos ouvidos. “Os sintomas da DTM são muito confundidos com outras condições, por estarem localizados na região da face. Comumente é confundida com dores de cabeça, dores de ouvido ou dente. Por isso, quando as dores são persistentes, é importante buscar um profissional especialista em Dor Orofacial e DTM, para um diagnóstico preciso”, destaca Fabiana.

O tratamento inicial é baseado em procedimentos que envolvem dedicação do paciente, ou seja, mudança de hábitos e autocuidados, outros tratamentos denominados como conservadores e reversíveis incluem exercícios mandibulares, conhecidos como terapias de suporte, termoterapia, farmacoterapia e os dispositivos inter-oclusais (placas oclusais). A diferença entre os dois é que o conservador é menos invasivo, e o reversível possui tratamentos que diminuem ao máximo a dor do paciente.

A fisioterapia é o tratamento mais recomendado pois não é invasivo, repara a força e a função da articulação por meio de exercícios. É importante a prática de atividades que controlam o estresse e que utilizam técnicas de relaxamento para um resultado com mais eficácia. “Muitos pacientes de DTM conseguem reverter o quadro e acabam nem precisando realizar uma cirurgia, corrigindo os problemas e dores com a fisioterapia. Temos inúmeros casos de sucesso com os exercícios fisioterápicos, além também de ser essencial num pós operatório em casos já avançados”, finaliza Fabiana.

Foto: saude.culturamix.com