Take a fresh look at your lifestyle.

Homem que ‘exportava’ veículos de luxo clonados para Manaus é preso durante operação policial

Defesa nega acusações e manda nota

-publicidade-

Policiais civis da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de Veículos (Derfv) deflagraram combate a m esquema de exportação de veículos de luxo clonados, trazidos para Manaus e exportados para países como Colômbia e Venezuela. Responsável pela ação criminosa no Amazonas, Luís Fernando Moraes, 31 anos, foi preso no fim da tarde desta quinta-feira (28/11), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva.

Os veículos eram originários de estados do sul e sudeste do país. Com o homem, a polícia recuperou um veículo avaliado em R$ 200 mil. As investigações sobre o esquema iniciaram há um mês e a prisão ocorreu dentro da operação deflagrada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), que também focou em fiscalizações a oficinas suspeitas de desmanchar veículos roubados.

De acordo com o titular da Derfv, delegado Cícero Túlio, a ação policial foi realizada em conjunto com integrantes do Núcleo de Operações Especiais (NOE), da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Segundo o delegado, o criminoso passou a ser investigado há quatro semanas pela Derfv, após agentes da NOE entrarem em contato informando o caso e, ainda, que o infrator estava residindo em Manaus.

“Conseguimos identificar que ele (Luís) estava trazendo um veículo de luxo, avaliado em R$ 200 mil, e esse veículo seria destinado à Venezuela ou Colômbia. Iniciamos o trabalho investigativo mais intensificado, conseguimos localizar o veículo que estava em poder de outras duas pessoas, e, a partir dos desdobramentos das diligências que foram tomadas na tarde de ontem, juntamente com os policiais rodoviários federais, conseguimos capturar esse sujeito”, explicou o titular da Derfv.

Esta não foi a primeira vez que Luis Fernando foi preso envolvido com esquema de roubo de veículo. O titular da Derfv destacou que o infrator já foi pego pela PRF em Santa Catarina com um carro da montadora Jeep, modelo Compass, que foi roubado e estava com documentação falsa. As investigações irão continuar com o intuito de identificar as outras pessoas envolvidas nos delitos.

“Estamos trabalhando há um tempo de forma integrada (com a Derfv) e temos logrado êxito, rendendo bons frutos para a cidade de Manaus”, afirmou o chefe do Núcleo de Operações Especiais da PRF, Alan Guerra.

Procedimentos – Luís Fernando foi indiciado por receptação, uso de documento falso, adulteração de sinal de identificador de veículo automotor e associação criminosa. Ao término dos procedimentos, ele será levado para audiência de custódia, no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, bairro São Francisco, zona sul da capital.

Defesa manda nota. Leia na íntegra

“Visando esclarecer as principais questões referentes à ordem judicial que determinou a prisão temporaria de Luiz Fernando de Moraes sob a acusação de participar de organização criminosa e exportar veículo roubados e clonados para o exterior, este, por seu advogado, vem a público esclarecer:

O acusado é Engenheiro e empresárrio, possuindo empresa legalmente constituída de prestação de serciços de engenharia. Como cidadão, respeita o exercício do direito de investigação e as manifestações públicas e livres da imprensa, mas deixa claro que “pitacos” superficiais e descontextualizados da realidade do processo, não acrescentam nada de positivo a esse momento ainda indefinido de discussão judicial.

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que o Sr. Luiz Fernando de Moraes veio à Manaus como contratado da empresa Philco, onde trabalhou por diversos meses na instalaçã de equipamentos eletrônicos de grande porte. Tendo sido bem acolhido pelo povo manauara, optou em transferir sua residência para Manaus, onde continuou trabalhando como engenheiro e mais, montou um estabelecimento comercial no bairro de Cachoeirinha. Local este que gera empregos e renda ao município.

Antes de mudar-se para Manaus, ante a renda auferida com bom contrato firmado com a Philco, adquiriu 2 (dois) automóveis na cidade de Curitiba, sendo 1 veículo Jeep Compass que atenderia Luiz Fernando quando o mesmo estivesse no sul do país, e 1 veículo Peugeot 3008, que seria levado à Manaus e destinaria-se a seu uso nesta cidade.

Ocorreu que ambos os veículos eram CLONADOS, porém, impossível detectar tais adulterações por pessoa leiga, eis que os chassis foram minuciosamente adulterados, números dos vidros e o documento de circulação do veículo fora impresso em papelautêntico.

Ou seja…Luiz Fernando foi vítima de estelionato, situação esta que qualquer pessoa estaria sujeita, porém, foi INJUSTAMENTE PRESO e está sendo tratado como BANDIDO.

Cabe aqui pequena indagação: E se você?? Coloque-se por um minuto no lugar de Luiz Fernando…comprou carros clonados, perdeu seu dinheiro e ainda está preso acusado de exportação de veículos roubados ao exterior!!!

Ledo ABSURDO!!

As autoridades policiais estão acusando um cidadão de bem…um pai de família…um empresário, de exportar veículos clonados ao exterior. QUE VEÍCULOS????? Não há em todo inquérito policial nenhuma prova, nenhuma conversa, nenhuma gravação, nenhuma evidencia além dos 2 veículos (Jeep e Peugeot) que o Sr Luiz Fernando adquiriu por ledo engano.

Precisamos ser mais atentos antes de crucificar uma pessoa de bem. Precisamos investigar melhor, ter provas!!! Nossas autoridades não podem juntar no processo uma lista de processos em Santa Catarina, tal qual o fez, E NÃO SE DAR CONTA QUE SE TRATA DE PESSOA HOMÔNIMA!!! Sim…isso mesmo, o Delegado convenceu o juízo de que Luiz Fernando era perigoso pois possuia vários processos de Furto em SC, porém, trata-se de outro Luiz Fernando, outro RG, outro CPF, outro pai, outra mãe.

Resumimos tudo nesta frase: É melhor absolver mil culpados do que condenar um inocente.

Novas informações serão prestadas periodicamente a fim de evitar boatos ou desencontros. ROGAMOS QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA!!!

FOTO: Erlon Rodrigues/PC-AM

-publicidade-