O ibuprofeno é um medicamento útil para o pós-cirúrgico da cirurgia plástica, com vários efeitos benéficos
Os pacientes, muitas vezes, são instruídos a não tomar ibuprofeno e outras drogas não esteroides anti-inflamatórias (AINE’s), antes ou após uma cirurgia, devido ao risco aumentado de hemorragia. Mas a evidência disponível sugere que o ibuprofeno não aumenta o risco de hemorragia após os procedimentos de cirurgia plástica, de acordo com uma revisão dos trabalhos sobre o tema, publicada no Plastic and Reconstructive Surgery®, jornal médico oficial da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS).

Segundo os pesquisadores, o ibuprofeno é um medicamento útil no pós-cirúrgico com vários efeitos benéficos, pode controlar a dor de maneira segura e eficaz após diversos procedimentos de cirurgia plástica, evitando maiores riscos e custos que outros medicamentos para a dor.

Estudo aponta que não há aumento do sangramento com ibuprofeno

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores realizaram uma revisão sistemática da literatura para identificar estudos de alta qualidade comparando o ibuprofeno com outros medicamentos para a dor para pacientes submetidos à cirurgia plástica. Eles encontraram quatro estudos em que 443 pacientes foram aleatoriamente designados para usar o ibuprofeno ou outros medicamentos. Todos os estudos registraram o uso de ibuprofeno antes ou imediatamente após a cirurgia, por pelo menos uma semana.

“Os procedimentos de cirurgia plástica estudados foram a cirurgia estética facial, a cirurgia de câncer de mama, a reparação de hérnia e a cirurgia de câncer de pele e reconstrução. Todos os estudos utilizaram a mesma dose de ibuprofeno (400 mg a cada quatro horas). Os tratamentos de comparação incluíram acetaminofeno, paracetamol, codeína ou a prescrição só de cetorolaco”, afirma o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada (CRM-SP 62.735).

Todos os medicamentos do estudo ofereceram um bom controle da dor apontaram os dados. Apenas 7 % dos pacientes dos pacientes que usaram ibuprofeno e 11% dos que utilizaram os medicamentos de comparação relataram insatisfação com o tratamento da dor.

O uso de ibuprofeno e de outros tratamentos também apresentou resultados semelhantes em termos de risco de sangramento. Taxas de “sangramento no pós-operatório cirurgicamente significativas” foram 3,5% com o ibuprofeno e 4,1% com outros tratamentos (também não significativa). Uma outra análise concentrou-se na comparação entre o ibuprofeno e o acetaminofeno, mais codeína-A, medicação utilizada no pós-operatório para dor que foi utilizado como um tratamento de comparação em três dos quatro estudos. Mais uma vez, não houve diferença significativa no controle da dor ou no risco de hemorragia.

“O sangramento é uma preocupação significativa para cirurgiões plásticos e as drogas não esteroides anti-inflamatórias (AINE’s) são rotineiramente relacionadas a esses episódios. Mesmo o ibuprofeno sendo um medicamento de baixo custo, amplamente disponível sem prescrição médica, poucos estudos haviam avaliado seu uso em pacientes após a cirurgia plástica”, diz o diretor do Centro de Medicina Integrada.

Os pesquisadores enfatizam que o estudo foi limitado a procedimentos onde o sangramento e os hematomas são facilmente detectáveis. Eles também reconhecem algumas outras limitações importantes, particularmente o pequeno número de estudos e de pacientes incluídos. “No entanto, eles acreditam que para os procedimentos de cirurgia plástica e dermatológica que envolvam pequenas áreas, o ibuprofeno pode prestar um bom controle da dor, sem aumentar o risco de sangramento. Os resultados são consistentes com o fato de, em contraste com alguns outros AINEs, o ibuprofeno tem apenas um efeito de curta e temporária duração sobre a função das células do sangue que desempenham um papel essencial na coagulação”, explica Ruben Penteado, que é membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

“Considerar o uso de ibuprofeno e de outros medicamentos alternativos é especialmente importante dada à crescente preocupação com o uso indevido de opioides e o excesso de prescrição de analgésicos, além de seus altos custos. Analgésicos como o ibuprofeno são mais seguros dada à sua eficácia no controle da dor e ao seu estabelecido baixo risco”, diz o médico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here