Take a fresh look at your lifestyle.

Idam trabalha com comunidades do rio Abufari para a criação de associação de agroextrativistas

-publicidade-

O Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) participou, no último domingo (13/12), de uma assembleia na comunidade Fazenda do Abufari, no município de Tapauá, distante 449 quilômetros de Manaus. O objetivo foi realizar a eleição das diretorias executiva e fiscal da Associação Agroextrativista das comunidades Fazenda do Abufari e São Sebastião, além da aprovação de seu estatuto, para que a associação seja reconhecida legalmente.

Segundo o gerente da unidade local do Idam, Franklânio Duarte, o processo da criação desta associação teve início ainda em julho deste ano, e representa um importante passo para o avanço do setor primário em Tapauá.

“A criação desta associação é importante porque permite às famílias da comunidade se beneficiarem de políticas públicas acessíveis apenas a produtores associados e legalizados de forma jurídica. São programas promovidos, por exemplo, por meio do Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza (FPS) e as políticas federais de preço mínimo para a castanha e o açaí da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)”, esclareceu Franklânio.

Além do gerente da unidade local do Idam, compareceram à assembleia o presidente da Agroindústria Abufari – Produtos Amazônicos, Leonardo Baldissera Campos, e o gerente da fábrica, Raimundo Rabelo.

Agroextrativismo – Localizadas na região do rio Abufari, as comunidades Fazenda do Abufari e São Sebastião são compostas de produtores familiares inseridos primariamente no agroextrativismo da castanha-do-Brasil e açaí. A região contribui com a segunda maior produção de castanha de Tapauá, cuja safra do ano passado ultrapassou a marca de 6 mil toneladas.

Agroindústria – Inaugurada em agosto deste ano, a Agroindústria Abufari tem capacidade de produção de mais de 300 toneladas ao ano e a perspectiva de exportar até 80 toneladas de castanha-do-Brasil desidratada no primeiro ano. Cerca de 300 extrativistas das comunidades Fazenda do Abufari e São Sebastião fornecem castanhas in natura à fábrica, levando renda e empregos à região.

FOTO: Divulgação/Idam

-publicidade-