Na tarde desta sexta-feira (12), três funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) foram libertados após serem mantidos como reféns de indígenas da etnia Tenharim. Eles estavam amarrados e aprisionados dentro da aldeia desde a segunda-feira (8), quando foram ao local para tentar apaziguar um conflito entre indígenas das etnias Tenharim e Pirarrã. O caso foi registrado na zona rural do município de Humaitá.

Os servidores da Funai deixaram a sede do município por volta das 18h de segunda (8), com destino à aldeia Estirão Grande, dos Tenharim. A aldeia fica a aproximadamente 90 km de distância da sede do município. O objetivo era tentar acabar com o conflito entre Tenharins e Pirarrãs, mas, segundo denúncia, ao chegar ao local, os funcionários encontraram dois indígenas Pirarrãs presos na aldeia.

Depois de acordo, os Tenharins libertaram os Pirarrãs, mas prenderam os três funcionários da Funai. Além de amarrar os servidores com cordas, os indígenas ainda pegaram a chave da lancha para que eles não tivessem chance de escapar.

O presidente da Funai, Wallace Moreira Bastos, após ser informados dos fatos gravou um vídeo pedindo a liberação dos servidores e agendou uma visita de servidores da fundação nacional ao local até o final do mês.

Os servidores passam bem. Com informações do G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here