Take a fresh look at your lifestyle.

Indústria amazonense recua 2,2% em fevereiro de 2020, diz IBGE

-publicidade-

Na comparação com janeiro de 2020, a indústria amazonense registrou, em fevereiro de 2020, queda de 2,2%. Enquanto a média nacional foi de 0,5%. Quando se compara com mesmo mês do ano anterior, a queda foi de 3,0%. No acumulado do ano, que compara com o mesmo período do ano anterior, houve crescimento de 0,8%. E o desempenho dos últimos doze meses, em fevereiro de 2020, ficou em 4,7%.

O desempenho da indústria amazonense de -2,2% em fevereiro de 2020 em relação ao mês anterior colocou o estado do Amazonas na penúltima posição em relação às outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta: da Bahia com -3,2%, Amazonas com -2,2% e Rio de Janeiro com 1,0%. E os melhores ficaram por conta: do Pará com 7,2%, Espírito Santo com 5,9% e Pernambuco com 4,5%.

O desempenho da indústria amazonense de -3,0% em fevereiro de 2020 em relação ao mesmo mês do ano anterior colocou o estado do Amazonas na 11ª posição entre as 14 unidades da federação investigadas. Os piores desempenhos ficaram por conta: de Minas Gerais com -6,3%, do Espírito Santo com -4,5%%, e Pará com -3,1%. E os melhores ficaram por conta: de Pernambuco com 12,3%, Rio de Janeiro com 9,7% e Pará com 7,5%.

A indústria amazonense em dois meses de 2020 cresceu 0,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse desempenho colocou o estado do Amazonas na 7ª posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta: do Espírito Santo com -13,5%, de Minas Gerais com -10,4% e de Mato Grosso com -1,4%. E os melhores ficaram por conta: do Rio de Janeiro com 9,7%, de Pernambuco com 7,6% e da Bahia com 5,8%.

Desempenho da Indústria Amazonense por atividades:
Poucas atividades da indústria local tiveram bom resultado em fevereiro de 2020 o que contribuiu para esse desempenho da indústria amazonense, a saber: fabricação de máquinas e equipamento (64,1%) (artefato de aço e tampas e cápsulas), fabricação de bebidas (9,9%), fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (3,7%) (gás natural).

Nesse mês, seis atividades tiveram desempenho negativo, tais como: indústria da transformação (-2,4%), indústria extrativa (-13,6%) (óleo bruto de petróleo), fabricação de produtos de borracha (-19,3%), fabricação de equipamentos de informática e eletrônicos (-12,5%) (celular, computador e máquinas digitais), fabricação de produtos de metal (-12,1%) (lâminas, aparelhos de barbear, estruturas de ferro), fabricação de máquinas e equipamentos e materiais elétricos (-11,7%)(conversores, alarmes, condutores e baterias), outros equipamentos de transportes (-9,1%) (motocicletas e suas peças) e a impressão e reprodução de gravações (-0,4%) (DVDs e discos).

-publicidade-