O deputado José Ricardo Wendling (PT) fará uma indicação ao Ministério Público do Amazonas (MP-AM) para que seja revogado o auxílio-moradia concedido aos membros do órgão (promotores e procuradores), no final do ano passado. O valor ficou fixado em R$ 4,3 mil mensais.
O auxílio-moradia foi criado, por meio do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), com a justificativa de repor perdas salariais, mas ontem (9) os deputados da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) aprovaram projetos de reajustes salariais e demais subsídios para os promotores do MP-AM, salários que chegam a R$ 30 mil e mais o auxílio-moradia. O deputado votou na aprovação dos projetos, porém, ressalvando a retirada deste benefício.

“Hoje, não há mais necessidade deste benefício, principalmente, para aqueles promotores da capital. É no mínimo, inapropriado manter o valor do auxílio-moradia, já que foi aprovado um reajuste salarial significativo para promotores e procuradores. Acredito que os membros do MP têm capacidade financeira suficiente para custear as suas moradias”, ressaltou o parlamentar.

CALÇADÃO VIRA CICLOVIA
O deputado José Ricardo, que iniciou um debate nas redes sociais a respeito da ciclovia do Boulevard sobre a calçada, defende um espaço para ciclistas, porém segregado e com proteção lateral, a exemplo da cidade Teresina (PI), onde foi implantada uma área planejada, respeitando pedestres, cadeirantes e esportistas.

“Aqui o prefeito quer se aproveitar das calçadas da cidade. O prefeito tem que apresentar seu projeto de mobilidade urbana e discutir com a população, porque como está fazendo acaba indo na contramão. Defendemos a construção de ciclovias, porém planejadas”, disse, questionado também montante investido, visto que se utilizou de uma estrutura já construída.

Ele destacou também que, Manaus já é uma capital com poucas calçadas, e com essa intervenção da Prefeitura nesses espaços, os transeuntes.

FATURAMENTO POSITIVO DO PIM
O Polo Industrial de Manaus (PIM) fechou o ano de 2014 com um faturamento de R$ 87,2 bilhões, um crescimento positivo em relação ao ano anterior e diante do quadro econômico atual. “Estamos num novo ano e torcemos que a Zona Franca de Manaus (ZFM) mantenha esse ritmo crescente”, afirmou o deputado, que está propondo audiência pública na Assembleia pelos 48 anos da ZFM. O debate visa refletir sobre esse modelo econômico, que está mantido até 2073, prorrogado pela presidenta Dilma, mas, principalmente, pensar em novas alternativas econômicas para o Estado.
Para José Ricardo, com a prorrogação da Zona Franca, criou-se expectativas positivas, atraindo empresas e novos investimentos para o Amazonas. Esse cenário animador também tem reflexo na arrecadação do Estado, que depende economicamente da indústria e do comércio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here