Jovem é morto com tiro nas costas e família acusa polícia

Foto - reprodução Rede Amazônica

Um adolescente de 16 anos, morreu após ser atingido por um tiro nas costas quando estava perto de um campo de futebol nesta quinta-feira (25), por volta das 16h, em uma área de construção da Mini vila Olímoica do Bairro. O caso foi registrado no bairro Santo Antônio, Zona Oeste de Manaus. A vítima foi identificada como Hering da Silva Oliveira. Testemunhas afirmam que o jovem foi baleado por policiais militares durante uma abordagem. Já Polícia Militar (PM-AM) afirma que foi recebida a a bala. As informações são do G1 da Globo.

No momento da ação, algumas pessoas jovagam futebol. Moradores contam que a vítima estava com um grupo de pessoas quando policiais chegaram. Eles afirmam que os militares se aproximaram atirando.

O jovem teria tentado fugir, mas foi atingido por um tiro nas costas. Mesmo atingido, ele conseguiu pular o muro da Mini Vila Olímpica, onde percorreu alguns metros e caiu.

O Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do São Raimundo foi acioando, mas o adolescente não resistiu aos ferimentos e morreu.

Os policiais que atenderam a ocorrência se apresentaram no 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Eles afirmam que foram recebidos a tiros no local e que a vítima também estava com uma arma.

Após o ocorrido, moradores da região realizaram um protesto em frente ao 5º DIP, situado próximo ao local onde a vítima foi baleada. Algumas pessoas que participaram do ato apedrejaram a fachada da delegacia.

Os policiais militares que atenderam a ocorrência e seis adolescentes que estavam no lugar já foram ouvidos. A arma do policial e um revólver calibre 38, com projéteis deflagrados, e que estaria supostamente em posse do adolescente, também foram entregues para investigação.

Circunstâncias do crime serão apuradas

O secretário de segurança pública do Amazonas, Coronel Amadeu Soares, determinou apuração célere e rigorosa sobre as circunstâncias da morte do adolescente.

Segundo a SSP, um inquérito foi aberto pela Polícia Civil do Amazonas e outro pela Polícia Militar para apurar o caso.

O corpo do jovem deve também ser submetido a necrópsia e vai passar por exame residuográfico para identificar se havia pólvora nas em suas mãos.

“Estamos apurando. A decisão mais sensata a ser tomada é aguardar os exames que foram requisitados para a perícia no corpo do adolescente. Esse detalhe vai ajudar a elucidar os fatos. Os outros adolescentes foram ouvidos e os policiais também. Mas a perícia será fundamental para chegar a verdade”, disse o secretário de segurança por meio de nota.

O comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Cláudio Silva, disse que a apuração será minuciosa. “Vamos aguardar os procedimentos solicitados pela Polícia Civil. Não podemos falar nada em relação aos fatos enquanto não houver o resultado dos exames. Garantimos a isenção da apuração e com base na perícia tomaremos todas as medidas necessárias”, afirmou.