Julgamento de autonomia do Banco Central vai ser retomado na sexta no STF

Até o momento, apenas o relator do caso no STF, Ricardo Lewandowski, apresentou seu voto

Por (FOLHAPRESS)

O STF (Supremo Tribunal Federal) retomará na próxima sexta-feira (25) o julgamento que discute se o Congresso Nacional poderia ter aprovado a autonomia do Banco Central.

Nesta quarta-feira (23), os presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), reuniram-se com o presidente da corte, Luiz Fux, para pressionar pela manutenção da decisão que alterou o funcionamento da instituição financeira.

Os parlamentares afirmaram que a medida é boa para a economia e que é importante mantê-la para auxiliar na retomada econômica do país.

Até o momento, apenas o relator do caso no STF, Ricardo Lewandowski, apresentou seu voto. O ministro afirmou que a lei é inconstitucional e defendeu que seja invalidada pelo tribunal.

O julgamento, iniciado no último dia 18, foi interrompido por pedido de vista (mais tempo para analisar) do ministro Luís Roberto Barroso.

Ele liberou o processo novamente para julgamento e incluiu no plenário virtual que começa na próxima sexta-feira (25). Como essas sessões online têm duração de uma semana e o STF entra em recesso em julho, a análise do tema pode se estender até 2 de agosto.

Entre outras medidas, o projeto de lei aprovado pelo Congresso estabelece mandatos fixos de quatro anos para o presidente e diretores do Banco Central.

Atualmente, além de não haver mandato, os dirigentes podem ser demitidos por iniciativa do presidente da República. Agora, é preciso aval do Senado para haver exonerações nesses cargos.

O argumento dos defensores da proposta é que esse procedimento tem como objetivo blindar a instituição de interferência políticas.

A autonomia era uma promessa de campanha de Jair Bolsonaro (sem partido) e também é tema de diversas propostas que tramitam no Congresso desde 1989.

Lewandowski, porém, julgou procedente a ação apresentada pelo PSOL e pelo PT contra o projeto aprovado no Congresso.

O ministro afirmou que a lei sofre de vício de iniciativa, uma vez que foi proposta por um senador. Para ele, apenas o governo poderia encaminhar ao Congresso um projeto desta natureza.

Segundo Lewandowski, a Constituição garante ao chefe do Executivo “competência privativa” nesta matéria, “sob pena de instalar-se indesejável balbúrdia na gestão da Administração Pública Federal, a qual ficaria sujeita aos humores cambiantes dos membros do Congresso capturados por maiorias ocasionais”.

Foto: Shutterstock

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil