Julho Verde alerta para cuidado com câncer de cabeça e pescoço

População deve ficar atenta aos fatores de risco

Cerca de 260 pessoas devem ser diagnosticadas com câncer na região de cabeça e pescoço, no Amazonas, neste ano de 2021, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Tabagismo e ingestão excessiva de bebidas alcoólicas são alguns dos fatores de risco para desenvolver a doença, alerta a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM).

Neste mês, é celebrado o Julho Verde, campanha de conscientização para reforçar o cuidado e prevenção ao câncer na região da cabeça e pescoço, que compreende boca, lábios, língua e palato, amígdalas, laringe, tireoide e também o câncer de pele.

Este ano, a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) e a Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG) escolheram o tema “Desperte a Esperança, Venha para o Julho Verde”, para alertar a população sobre a doença.

Fatores de risco – Há diversos fatores de risco ligados ao desenvolvimento do câncer de cabeça e pescoço, segundo o gerente do serviço de Cabeça e Pescoço da FCecon, cirurgião Felipe Jezini III.

“Os principais fatores de risco para o câncer de cabeça e pescoço são o tabagismo, seja ele de cigarro de tabaco, cigarros eletrônicos e qualquer outro tipo de cigarro, assim também como o consumo de bebidas alcoólicas, o sexo oral sem preservativo, excesso de peso e o consumo de alimentos industrializados”, explica o cirurgião.

Estudos já comprovaram que o Papilomavírus Humano (HPV) também está associado ao câncer de cabeça e pescoço. Por isso, reforça-se a necessidade do uso de preservativo nas relações sexuais e a vacinação de meninas dos 9 aos 14 anos e meninos dos 11 aos 14 anos contra o HPV.

Sinais – São sintomas do câncer de cabeça e pescoço aftas, feridas na boca, rouquidão e dor de garganta que não param em 15 dias. Além disso, podem aparecer nódulos na região, destaca Jezini.

Ao aparecimento de quaisquer desses sinais, o cidadão precisa procurar ajuda médica em uma unidade de saúde básica, para ser avaliado, orientado e encaminhado para exames.

Tratamento – Na FCecon, são tratados os casos confirmados de câncer, para onde os pacientes são encaminhados com biópsia, para fazer tratamento.

“Na Fundação Cecon, dispomos de três linhas de tratamento para o enfrentamento ao câncer de cabeça e pescoço. Temos o tratamento cirúrgico, onde contamos com uma equipe de cirurgiões, que, em casos indicados, conseguem ressecar a lesão. Também dispomos de radioterapia e a quimioterapia, também para os casos indicados”, afirma Jezini.

O médico destaca que a população deve manter hábitos saudáveis de vida, evitando o tabagismo, o consumo de álcool e optando por fazer refeições ricas em frutas, verduras e legumes. A atividade física e o peso corporal adequado também são outras ações que ajudam a prevenir o câncer de cabeça e pescoço.

FOTO: Laís Pompeu/FCecon